"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
20/09/2019
Os planos para refazer a Igreja com 'rosto da Amazônia' começaram com a eleição do Papa Francisco em 2013
 

Os planos para refazer a Igreja com 'rosto da Amazônia' começaram com a eleição do Papa Francisco em 2013

Qui 19 Set 2019 - 15:23 EST

https://assets.lifesitenews.com/images/made/images/remote/https_www.lifesitenews.com/images/local/DanneelsFrancis_810_500_75_s_c1.jpg

Papa Francisco após eleição na loggia, Roma, 13 de março de 2013.

19 de setembro de 2019 (LifeSiteNews) - Uma cronologia dos eventos que antecederam o Sínodo Pan-Amazônico acontecendo em Roma no próximo mês mostra como o Papa Francisco em seu papado começou a planejá-lo.

O documento de trabalho do Sínodo da Amazônia foi criticado e denunciado pelos principais cardeais por ser “herético”, “apostasia” e uma “ruptura com a tradição” por pressionar por padres casados, ministérios e uma igreja que é mais centrada no homem do que em Deus . O sínodo está programado para acontecer em Roma, de 6 a 27 de outubro.

Já um mês após a eleição de 2013, o papa se reuniu com alguns dos principais organizadores desse sínodo, incluindo o cardeal Claudio Hummes e o cardeal Pedro Barreto, e falou sobre a região amazônica.

A cronologia a seguir ajuda a ilustrar como o pequeno grupo em torno do Cardeal Hummes, do Cardeal Barreto, do Bispo Erwin Kräutler e de sua própria organização REPAM (Rede da Igreja Pan Amazônica) está realmente no centro deste Sínodo da Amazônia, um centro que inclui sua própria rede de “ especialistas ”que escreveram o documento preparatório e de trabalho do próximo Sínodo.

Nem o REPAM nem a Secretaria do Sínodo dos Bispos responderam às perguntas da LifeSiteNews que são pertinentes à nossa investigação. Esse silêncio é alarmante, uma vez que os organizadores do sínodo prometeram um processo aberto, transparente e orientado para as bases. Os fatos expostos em nossa cronologia sugerem que, por trás do sínodo, há um pequeno grupo de pensadores com a mesma opinião - a maioria deles teólogos da libertação - que planejaram todas as etapas do sínodo e de sua agenda, mas que preferem permanecer quietos em segundo plano.

Vamos agora considerar primeiro algumas das principais datas da história da preparação do Sínodo da Amazônia:

2013: o Papa Francisco fala da "face amazônica" da Igreja

13 de março de 2013: O Papa Francisco senta-se ao lado do Cardeal Hummes durante sua eleição. Mais tarde, ele comentou esse evento simbólico e salientou que foi Hummes quem efetivamente lhe deu o nome de Francisco: “Durante a eleição, sentei-me ao lado do arcebispo emérito de São Paulo e do prefeito emérito da Congregação para o Clero, Cardeal Claudio Hummes: um bom amigo, um bom amigo! Quando as coisas pareciam perigosas, ele me encorajou. E quando os votos chegaram a dois terços, houve aplausos habituais, porque o papa fora eleito. E ele me deu um abraço e um beijo, e disse: “Não esqueça os pobres!” E essas palavras vieram a mim: os pobres, os pobres. Então, imediatamente, pensando nos pobres, pensei em Francisco de Assis.

Abril de 2013: O então Arcebispo Pedro Barreto Jimeno se encontra com o Papa Francisco e Claudio Hummes, reunião que levou à fundação do REPAM, que por sua vez preparará o Sínodo da Amazônia. De acordo com um relatório do Catholic News Service, Barreto havia se inspirado nos bispos brasileiros e em seu trabalho para a região amazônica - especialmente no que diz respeito aos indígenas e ao meio ambiente durante o encontro dos bispos latino-americanos em 2007 em Aparecida.

“Esse compromisso [com questões ambientais e indígenas] levou a uma proposta de uma rede de igrejas abrangendo os nove países da Amazônia. A idéia, que se tornou REPAM, surgiu de uma reunião de 2013 dos bispos e obreiros da Amazônia no Equador, na qual participaram o cardeal brasileiro Claudio Hummes e o nomeado cardeal Barreto.

O papa Francisco havia sido eleito apenas um mês antes da reunião do Equador e [Mauricio] Lopez [o secretário executivo da REPAM] lembrou que o cardeal Barreto previu o apoio do novo papa às preocupações dos obreiros da Amazônia.

'Ele disse:' Espere coisas que você nunca esperou, espere mudanças profundas '', disse Lopez.

Uma dessas coisas inesperadas foi o encontro do papa com indígenas da Amazônia da Bolívia, Brasil e Peru durante sua visita ao Peru em janeiro [2014]. Lá, ele pediu uma igreja com um rosto amazônico. ”

Como pode ser visto neste relatório do CNS, o Papa Francisco promoveu a região amazônica e a idéia de uma igreja com uma “face amazônica” desde o início de seu pontificado.

Barreto desempenha aqui um papel importante. “O arcebispo de Huancayo [Barreto] tem uma antiga amizade com Jorge Mario Bergoglio e é um dos principais promotores da REPAM, a Rede Eclesial Pan-Amazônica que deu origem ao próximo Sínodo de Bispos dedicado à selva sul-americana”, relatório dos estados da ACA Prensa.

Parte do envolvimento do papa Francisco no início de seu pontificado está enraizada na reunião de Aparecida de 2007, na qual o então cardeal Jorge Bergoglio era o editor do documento final, ficando profundamente imerso nos debates dos teólogos da libertação.

Como afirma o documento de trabalho do Sínodo Amazônico: “109. De acordo com o Documento de Aparecida, a opção preferencial para os pobres é o critério hermenêutico para analisar propostas para a construção da sociedade (501, 537, 474, 475), e também o critério para o entendimento da Igreja. É também uma das características físicas que caracterizam a Igreja da América Latina e do Caribe (391, 524, 533) e todas as suas estruturas, desde a paróquia até os centros educacionais e sociais (176, 179, 199, 334 337, 338, 446, 550). O rosto da Amazônia é o de uma igreja com uma opção clara para (e com) os pobres [48] e para o cuidado da criação. Dos pobres e da atitude de cuidar dos bens de Deus, novos caminhos são abertos para a Igreja local e eles continuam em direção à Igreja universal. ”

A Teologia da Libertação tem um histórico de usar a situação dos pobres como pretexto para oferecer soluções para problemas que muitas vezes partem do ensino social da Igreja. Representantes-chave da Teologia da Libertação - entre eles o Pe. Paulo Suess, um dos redatores do documento de trabalho do Sínodo - havia sido convidado pelo cardeal Rodrigez Maradiaga para colaborar com os bispos da reunião de Aparecida e, assim, contribuir para o documento final da reunião.

22-24 de abril de 2013: A primeira reunião preparatória para a fundação da REPAM ocorre em Puyo, Equador. De acordo com uma reportagem do Vatican News: “Mauricio López nos lembra que 'foi em abril de 2013 que alguns representantes das equipes missionárias, como a Equipe Itinerante, de instâncias eclesiais também de grande inspiração como o CIMI (Consejo Indigenista Misionero, de Brasil), mas sobretudo agentes de pastoral, pastoral social, pastoral indígena, de um número importante de países da Pan Amazônia e de congregações missionárias inculturadas, como os Consolados, Capuchinhos, Franciscanos e muitos outros na tecelagem de uma rede. "

O bispo Rafael Cob foi o anfitrião do evento. Mais tarde, ele seria chamado pelo Papa Francisco para o conselho pré-sinodal do Sínodo da Amazônia.

O significado desta reunião de Puyo não pode ser subestimado. Isso mostra que, nas raízes do REPAM, também há outra iniciativa iniciada em 1998: a da Itinerant Team (IT), um grupo de jesuítas no Brasil e depois na região pan-amazônica, inspirada na idéia de ser pobre, ajudando os pobres e os povos indígenas e aceitando a religião de todos (que chega ao indiferentismo religioso). O CIMI trabalhou com a TI e faz parte dela desde o início. E o CIMI foi liderado pelo bispo Kräutler por décadas, com Paulo Suess sendo seu secretário geral ou conselheiro teológico. Como declara um artigo da história da Equipe Itinerante: “É uma das sementes que germinou na Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM); era sua parteira e faz parte dela. Hoje, no novo contexto do REPAM e do Sínodo Amazônico, a Equipe de Itinerantes ajuda a promover, formar e tecer a Rede de Itinerantes da REPAM. ”

O cardeal Hummes e o bispo Kräutler também trabalham juntos na conferência episcopal brasileira, como presidente e secretário da comissão episcopal da Amazônia.

O Cardeal Hummes e o Bispo Kräutler, ao escreverem uma carta aberta como representantes da REPAM em 2017, chamaram o fundador da Equipe Itinerante, Padre Claudio Perani, SJ, de “profeta da Amazônia”. Perani morreu em 2008. Ele tem em comum com pe. Paulo Suess, um dos principais redatores do documento de trabalho do Sínodo da Amazônia, que ambos estudaram no Instituto Lumen Vitae na Bélgica. (Observe como esses dois padres vêm da Europa. Perani é italiano e Suess é alemão.)

Em comemoração ao pe. Perani, no décimo aniversário de sua morte, do qual participaram dois colaboradores da equipe preparatória do Sínodo da Amazônia, Perani foi chamado de "precursor da Igreja do Papa Francisco".

Importante para a história do REPAM é o fato de que a TI se reuniu, em julho de 2011, em Quito, Equador, com Mauricio Lopez - então secretário da Caritas Equador - para uma colaboração mais estreita. No ano seguinte, em agosto de 2012, Lopez participou da XI Reunião Interamericana em um retiro de TI liderado por Egydio Schwade (aqui em foto com o bispo Kräutler), um dos fundadores do CIMI que já foi secretário geral do CIMI . “Esta reunião foi fundamental para continuar tecendo uma visão, uma missão e um corpo missionário na Amazônia, que atravessa fronteiras [indo além do Brasil, para o Equador]”, afirma o relatório da IT. Posteriormente, chegou à reunião acima mencionada em abril de 2013 em Puyo, Equador, organizada pela Caritas Ecuador. Mais duas reuniões se seguiriam em 2013, sendo uma organizada pelo CELAM, a Conferência dos Bispos da América Latina. Lopez e TI estavam sempre presentes.

Como pode ser visto aqui, a história do REPAM remonta a um tempo anterior ao pontificado do Papa Francisco. Em 2019, Mauricio Lopez é elogiado pelo bispo Rafael Cob como “o grande arquiteto da rede eclesial REPAM”.

Julho de 2013: o Papa Francisco visita o Brasil, país onde o Cardeal Hummes e o Bispo Kräutler vivem e trabalham. Hummes e Kräutler são, juntamente com o cardeal Barreto do Peru, os principais prelados para promover o Sínodo da Amazônia.

O Papa Francisco sugere pensar em novas maneiras de ajudar o clero nativo, sendo aberto e “corajoso”. Ele diz aos Bispos brasileiros: “Há uma necessidade de formadores de qualidade, especialmente formadores e professores de teologia, para consolidar os resultados alcançados na área de treinar um clero nativo e de fornecer padres adequados às condições locais e comprometidos em consolidar, por assim dizer, a “face amazônica” da Igreja. Nisto, por favor, peço-lhe, seja corajoso e tenha parresia! Na língua “porteño” [de Buenos Aires], não tenha medo ”. Aqui, o Papa Francisco, três meses após sua eleição, já fala da idéia de uma“ face amazônica ”.

17 de dezembro de 2013: o Papa Francisco escreve uma carta encorajadora para uma reunião de janeiro das Conferências Eclesiais Básicas (BEC) no Brasil, com 4.000 participantes, dando a impressão de que essas comunidades estão voltando. Citando o documento de Aparecida de 2007, o Papa Francis escreve: “Como recordou o Documento de Aparecida, os CEBs são um instrumento que permite que as pessoas obtenham maior conhecimento da Palavra de Deus, um maior compromisso social em nome do Evangelho, pelo nascimento de novas formas de serviço e educação de adultos na fé (n. 178). ”As Comunidades Eclesiais Básicas foram criadas por representantes da Teologia da Libertação e muitas vezes corriam o risco de priorizar questões sociais sobre questões da Fé Católica.

2014: unir forças

4 de abril de 2014: O Bispo Kräutler, mediante incentivo e recomendação do Cardeal Hummes, tem uma audiência privada com o Papa Francisco. Ele leva seu colaborador próximo, o consultor teológico do CIMI - Paulo Suess - para a reunião. Como Kräutler disse em 2015 sobre esta reunião: “Mencionei primeiro nossas comunidades e lamentou que, devido à grande escassez de ministros ordenados, eles só tenham acesso à Eucaristia algumas vezes por ano.” Segundo relatos posteriores de Kräutler, o Papa depois, trouxeram as idéias do bispo Fritz Lobinger - isto é, ordenar homens casados - bem como as experiências de Chiapas no México, onde um bispo local - Samuel Ruiz García, bispo de San Cristóbal de las Casas - estava ordenando muitos diáconos casados indígenas. Essa última prática havia sido interrompida em 2001 pelo Vaticano, mas o Papa Francisco deveria permiti-la novamente em 2014. Ele também visitou o túmulo do Bispo Ruiz ao visitar o México em 2015. É nesse contexto que o Papa Francisco disse a Kräutler para “ousar propostas ”no que diz respeito à falta de padres.

Além disso, o Papa Francisco também convidou o bispo Kräutler para ajudá-lo a escrever sua encíclica Laudato Si. Diz o bispo austríaco: “Então o Papa me revelou que estava pensando em escrever uma encíclica sobre ecologia e já havia encomendado o cardeal Peter K. A. Turkson, presidente do Pontifício Conselho para Justiça e Paz, para elaborar um rascunho. Eu insisti que um documento tão importante não poderia faltar uma referência clara à Amazônia e aos povos indígenas. O Papa então me pediu para colaborar enviando ao Cardeal algumas de minhas contribuições a esse respeito, o que fiz imediatamente após retornar ao Brasil. Lendo a Encíclica [Laudato Si] agora, me deparo com vários números do documento, nos quais o Papa levou em consideração nossas ansiedades e preocupações e realmente as considerou como suas próprias preocupações. ”

Ainda em 2014, o cardeal Hummes e o bispo Kräutler trazem a idéia de ordenar homens casados no quadro da Conferência Episcopal Brasileira, e uma nova comissão está sendo criada, com Hummes como presidente e Kräutler como secretário. O conselheiro dessa comissão é Antonio de Almeida, especialista em Lobinger que mais tarde também foi convidado a participar de uma reunião preparatória para o Sínodo Amazônico em Bogotá, Colômbia.

12 de setembro de 2014: O REPAM foi oficialmente fundado em Brasília, nos dias 9 e 12 de setembro, em Brasília, Brasil. Os membros fundadores são o CELAM (Conferência Episcopal Latino-Americana), a Confederação Latino-Americana e do Caribe de Religiosos para Homens e Mulheres (CLAR), a Secretaria da Caritas para a América Latina e o Caribe (SELAC) e a Conferência Episcopal Brasileira (CNBB). O Vaticano publicou seu documento fundador. Numa conferência de imprensa em Roma, com a presença do Cardeal Peter Turkson e do Arcebispo Barreto, o Cardeal Hummes - Presidente da REPAM - enviou uma mensagem de que as igrejas da região decidiram criar essa rede (REPAM) para unir forças, apoiar e incentivar um ao outro e "ter uma voz profética e cada vez mais importante em nível internacional".

O CIMI e muitas outras organizações e ONGs estão envolvidas na rede. Infelizmente, o REPAM não respondeu a nenhuma das solicitações da LifeSiteNews para receber uma lista completa de quem é especificamente um membro ou colaborador do REPAM.

O vice-presidente da REPAM, arcebispo Barreto, posteriormente estabelecerá uma conexão entre a REPAM e a conferência de Aparecida em 2007. Segundo um relatório do CNS, o próprio Barreto foi influenciado por essa conferência e suas discussões sobre questões ambientais e indígenas. O CNS cita Mauricio Lopez dizendo que Barreto ficou impressionado com “a coragem e a clareza profética dos bispos de lá, especialmente os bispos brasileiros (que) lutaram incansavelmente para tornar a Amazônia uma grande prioridade”. Como acrescenta o CNS: “Seções ambientais e indígenas as questões foram incluídas no documento final da conferência, e o Papa Francisco - que como cardeal de Buenos Aires na época liderava a comissão que redigiu o documento - se referia a elas com frequência em sua encíclica, Laudato Si '. ”

2015: Vaticano agradecido por apoiar a Rede Eclesial Pan-Amazônica

2 de março de 2015: O Vaticano realiza uma conferência de imprensa apresentando o REPAM ao público.

O REPAM expressou sua gratidão ao cardeal Turkson por ajudar e patrocinar o REPAM: “Nossos agradecimentos ao Pontifício Conselho para Justiça e Paz, pessoa da equipe do cardeal Peter Turkson e todos pelo apoio inestimável no processo de crescimento da Rede Eclesial Pan-Amazônica . ”

O próprio cardeal Turkson comentou: “Durante vários anos, algumas igrejas latino-americanas se organizaram para enfrentar os desafios regionais do meio ambiente amazônico. O Pontifício Conselho de Justiça e Paz, que acompanha com interesse essas iniciativas, queria acompanhar e patrocinar a Rede Eclesial Panamazzonica (REPAM) desde sua criação, em setembro, em Brasília. Na reunião de coordenação que começará esta tarde, apresentamos com grande prazer o REPAM aqui. ”

2017: Papa Francisco convoca o Sínodo dos Bispos na Região Pan-Amazônica

24 de abril de 2017: O REPAM visita Washington, D.C., sendo convidado também pelos jesuítas. O grupo REPAM estava defendendo seus direitos à terra e à água potável. Entre os membros do REPAM estão o cardeal Hummes e o cardeal Barreto.

15 de outubro de 2017: O Papa Francisco convoca o Sínodo dos Bispos na Região Pan-Amazônica durante o seu Angelus. Diz-se que o Sínodo nasceu da encíclica ambiental do Papa Francisco em 2015, Laudato si, que exige um "estilo de vida e espiritualidade" para resistir ao "paradigma tecnocrático".

27-30 de novembro de 2017: Em Quito, Equador, ocorreu um primeiro encontro organizado pela REPAM que discute o próximo Sínodo da Amazônia. Os participantes deste encontro foram, entre outros, quatro representantes da Equipe de Itinerários, bem como todas as várias pessoas que em breve seriam convocadas pelo Papa Francisco para ajudar a organizar o Sínodo: Peter Hughes, Paulo Suess, Justino Sarmento, Mauricio Lopez e Irmã Irene Lopes.

2018: Papa Francisco defende 'espiritualidade nativa' pagã dos povos indígenas

19 de janeiro de 2018: O Papa Francisco convocou a primeira reunião do conselho pré-sinodal durante sua visita apostólica a Puerto Maldonado, Peru. Durante essa visita, o Papa se dirige diretamente aos povos indígenas. Falando às tribos nativas, o Papa Francisco diz: “Obrigado por estar aqui e por nos ajudar a ver de perto, em seus rostos, o reflexo desta terra. É uma face diversa, de variedade infinita e enorme riqueza biológica, cultural e espiritual. Aqueles de nós que não vivem nessas terras precisam de sua sabedoria e conhecimento para nos permitir entrar, sem destruir, os tesouros que esta região guarda. ”

O Papa Francisco declara que queria “reafirmar com você uma opção sincera para a defesa da vida, a defesa da terra e a defesa das culturas”. Além disso, ele assegura ao público que deseja dialogar com os povos nativos, “reconhecendo e recuperando suas culturas, línguas, tradições, direitos e espiritualidade nativas ”.

Implicando que o tempo da colonização foi um período doloroso, o Papa Francisco explica que “o reconhecimento e o diálogo serão a melhor maneira de transformar relacionamentos cuja história é marcada por exclusão e discriminação”. Ele também deseja que os “Povos Indígenas no Voluntário Isolation ”(PIAV) têm seus próprios direitos respeitados. Sobre esses povos, o papa diz que "sua visão cósmica e sua sabedoria têm muito a ensinar àqueles de nós que não fazem parte de sua cultura".

O Papa Francisco, trazendo à tona esses tópicos - bem como o chamado à “proteção de nosso lar comum” - já apresenta aqui temas do próximo Sínodo da Amazônia. Ele também ecoa muito do que o bispo Kräutler e sua equipe missionária indígena disseram ao longo de muitos anos.

8 de março de 2018: o Papa Francisco nomeou 18 membros do conselho pré-sinodal, entre eles o cardeal Hummes, o cardeal Turkson, o cardeal Barreto e o bispo Kräutler. Dos 18 membros, apenas três são mencionados explicitamente na capacidade de representantes da REPAM: Hummes, Barreto e Mauricio Lopez (aqui em uma foto com o Papa Francisco.) Na realidade, porém, pesquisas mostram que mais da metade dos membros da REPAM o conselho pré-sinodal está diretamente envolvido com o REPAM - como representantes regionais do REPAM (como, por exemplo, no caso dos bispos Eugenio Coter e Rafael Cob Garcia), ou como presidente do CIMI (no caso do monsenhor Roque Paloschi), que é membro da REPAM. Uma das integrantes do conselho é a irmã Maria Irene Lopes de los Santos, secretária executiva da REPAM Brasil, fato omitido quando ela é listada como membro do conselho. Também não é dito que ela também trabalha para Hummes e Kräutler na comissão da Amazônia pertencente à Conferência Episcopal Brasileira.

Outro membro do conselho pré-sinodal é o cardeal Carlos Aguiar Retes, arcebispo da Cidade do México. Ele conheceu o Papa Francisco em abril de 2013 como Presidente do CELAM, juntamente com seus outros oficiais, logo após a eleição de Francisco. Eles teriam discutido a implementação em andamento de Aparecida. e Retes - que conhece bem o Papa Francisco - disseram que "o Papa Francisco é quem - se não é o que mais - certamente expressa em suas atitudes e palavras o desenvolvimento teológico-pastoral de Aparecida".

Segundo Crux, como vice-presidente do CELAM de 2003 a 2007, Aguiar Retes trabalhou em estreita colaboração com Jorge Mario Bergoglio, de Buenos Aires, na preparação para a quinta assembléia do CELAM em maio de 2007. ”O relatório explica ainda que“ Aparecida é o modelo para Evangelii Gaudium (“A Alegria do Evangelho”), a exortação de novembro de 2013 amplamente descrita como a Magna Carta do papado de Francisco. ”

Pode-se acrescentar que, ao visitar o Brasil em julho de 2013, o Papa Francisco apresentou seu próprio documento atualizado de Aparecida em um discurso à CELAM Liderança das Conferências Episcopais da América Latina.

Além do fato de o concílio pré-sinodal parecer estar empilhado contra uma variedade de posições teológicas, o que é quase pior - e um sinal adicional de que a transparência não é uma característica deste Sínodo - é o fato de que três membros dos cinco o comitê membro encarregado da elaboração do documento preparatório e do documento de trabalho do Sínodo está direta e intimamente envolvido com o REPAM. São eles: Dr. Paulo Suess, um dos principais teólogos da Teologia da Libertação, considerado o principal arquiteto do documento de trabalho do Sínodo da Amazônia, pe. Pedro Hughes (da REPAM; ele publicou um livro em homenagem a Gustavo Gutierrez aos 80 anos) e a socióloga brasileira Marcia de Oliveira (que também trabalha para a REPAM). O quarto membro, pe. Justino Sarmento, estudou no programa de pós-graduação para estudos missionários em São Paulo, fundado pelo pe. Suess. O antropólogo pe. Fernando Roca Alcázar, S.J. parece não ter uma conexão estreita com o REPAM, exceto talvez por meio de seus canais jesuítas. Como dissemos anteriormente, os jesuítas estavam fortemente envolvidos na formação do REPAM, por meio da equipe de itinerário. O cardeal Barreto também é jesuíta e é representante dos bispos peruanos da Pontifícia Universidade do Peru, onde pe. Roca ensina.

Como Paulo Suess declara em uma entrevista, foi a própria REPAM que foi encarregada da redação do documento preparatório: “Ao Repam foi confiada a tarefa de construir a primeira versão do Documento Preparatório, com instruções do Presidente da Secretaria da Sínodo dos Bispos, cardeal Baldisseri. Em seguida, o REPAM solicitou aos cinco especialistas, escolhidos por várias autoridades e nomeados por Claudio Hummes, que elaborassem, em tempo recorde, um texto de duas ou três páginas de sua especialidade. [...] Este texto inicial foi revisado pelo Secretariado do Sínodo em Roma, que o reestruturou sem grandes intervenções de conteúdo. Foi então apresentado ao Concílio Pré-Sinodal, que discutiu a presença do Papa e que tinha todas as possibilidades de interferir e propor mudanças. ”

A Assessoria de Imprensa do Vaticano disse à LifeSiteNews em agosto de 2019 que “no segundo semestre de 2018 e até agora houve 262 eventos em resposta à consulta, incluindo assembléias territoriais, fóruns temáticos e grupos de trabalho de conversação na Pan-Amazônia. Segundo a Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM), 87 mil pessoas participaram do processo, envolvendo comunidades, paróquias, prelaturas e dioceses nos 9 países que compõem a Amazônia. ”

2019: documento de trabalho Amazon Synod lançado

Fevereiro de 2019: o Vaticano organizou uma conferência de três dias em preparação para o Sínodo da Amazônia, com mais de 80 participantes de todo o mundo.

Março de 2019: REPAM vai a Washington, D.C., a fim de apresentar o Sínodo da Amazônia e alguns de seus principais objetivos. Os jesuítas estão envolvidos na hospedagem do grupo.

4-6 de abril de 2019: Houve silenciosamente uma conferência organizada pela REPAM e Amerindia, um grupo de teólogos da libertação, que produziu um documento maior questionando muitos princípios da doutrina da Igreja Católica. Requer, por exemplo, a ordenação de diáconas, se não de sacerdotisas. A agência de ajuda alemã Misereor co-financiou o livreto.

14-15 de maio de 2019: A segunda reunião do concílio pré-sinodal foi realizada no Vaticano, com a aprovação do documento de trabalho do Sínodo.

17 de junho de 2019: Foi publicado o Documento de Trabalho (Instrumentum Laboris) para o Sínodo Pan-Amazônico de 6 a 27 de outubro.

26 de junho de 2019: Realizou-se uma reunião secreta de estudo perto de Roma, com os cardeais Hummes e Kasper, o bispo Kräutler, Paulo Suess e muitas outras figuras-chave presentes. Uma declaração final desse evento pedia diáconas. Um dos participantes deste evento é o padre Michael Czerny, co-secretário do conselho pré-sinodal do Sínodo da Amazônia. Mediante solicitação de informações, Czerny se recusou a responder, referindo LifeSiteNews abstratamente ao site da REPAM. Ele acaba de ser nomeado um dos 13 prelados que serão cardeais em breve.

Julho de 2019: pe. Pirmin Spiegel - participante da conferência de Roma em fevereiro e chefe da Misereor, uma agência de assistência episcopal alemã fortemente envolvida no financiamento do Sínodo - propõe a ordenação de homens casados e de diáconas.

Direção do Sínodo?

Essa breve visão geral dá a impressão de que o Sínodo da Amazônia está sendo organizado principalmente por um grupo unido de pessoas que trabalham há anos juntos, tentando avançar sua agenda que é influenciada pela Teologia da Libertação. O fato de isso não estar sendo divulgado - nem mesmo mediante solicitação da mídia - suporta a suspeita de que este sínodo também esteja sendo direcionado para uma determinada direção, como foi o caso dos dois sínodos da família.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/blogs/plans-to-remake-church-with-amazonian-face-began-with-pope-francis-election

 
 
 

Artigo Visto: 223 - Impresso: 1 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.720.212 - Visitas Únicas Hoje: 1.263 Usuários Online: 281