Sinais do Reino


Espaço Mariano
  • Voltar






13/08/2021
Maria sacrificada no altar do ecumenismo?

Muitos católicos envolvidos na missão ecumênica da Igreja humildemente chegaram à conclusão de que, em uma extensão significativa, o movimento ecumênico parou.

Maria sacrificada no altar do ecumenismo?

13-08-2021

Salvo em: Blog por Aldo Maria Valli

por Mark Miravalle *

As crises globais onipresentes de hoje enfatizam o imperativo de todos os cristãos se unirem o máximo possível. Mas como pode a Igreja alcançar o verdadeiro progresso ecumênico e promover a verdadeira unidade cristã nestes tempos difíceis?

Os esforços ecumênicos desde o Concílio Vaticano II geralmente levaram a formas frutíferas de oração comum e diálogo fraterno entre as diferentes tradições cristãs, enfatizando principalmente o que todas as denominações cristãs têm em comum.

Mas isso é o suficiente? Podemos realmente realizar a oração ecumênica de Jesus para que "todos sejam um" (Jo 17,19), discutindo apenas o que todos os cristãos têm em comum?

Muitos católicos envolvidos na missão ecumênica da Igreja humildemente chegaram à conclusão de que, em uma extensão significativa, o movimento ecumênico parou.

Embora a oração e o diálogo da comunidade cristã sejam certamente úteis, por si só não trarão as diferentes denominações cristãs para o único Corpo de Cristo.

O que é necessário então? Para que a unidade ecumênica definitiva seja alcançada, a plenitude da doutrina e da vida católicas devem ser discutidas com honestidade, com total transparência e sem qualquer redução ou compromisso .

Por mais dogmático ou "não ecumênico" que possa parecer à primeira vista, a plenitude da revelação cristã é, no entanto, o único fundamento e pré-requisito para a unidade cristã real, verdadeira e duradoura. A unidade nasce da verdade, a comunhão da doutrina. A instrução ecumênica de São João Paulo II deixa isso indiscutivelmente claro:

A unidade desejada por Deus pode ser realizada apenas na adesão comum à integridade do conteúdo da fé revelada. Em questões de fé, transigir está em contradição com Deus, que é a Verdade. No Corpo de Cristo, que é «o caminho, a verdade e a vida» (Jo 14,6), quem poderia considerar legítima uma reconciliação realizada ao preço da verdade? [1]

Cooperação humana livre na redenção

Na base de toda discussão ecumênica, a questão central é a legitimidade e a necessidade da livre cooperação humana na Redenção . Essa verdade católica essencial parece estar perdendo seu status dogmático crítico, ou mesmo negado em alguns casos, nas discussões ecumênicas contemporâneas.

Karl Barth, um dos maiores teólogos protestantes do século XX, viu a centralidade desse tema e seu componente mariano singular. Barth identificou a doutrina e devoção mariana como "a única grande heresia" da Igreja Católica da qual todas as outras heresias católicas se seguiram: "Na doutrina e no culto a Maria, é revelada a única heresia da Igreja Católica Romana que explica todo o resto". [2] Ele identifica especificamente a cooperação humana de Maria na Redenção como um exemplo proeminente desta alegada heresia mariana-católica:

A "mãe de Deus" do dogma católico romano mariano é simplesmente o princípio, o tipo e a essência da criatura humana que coopera como serva para sua própria redenção com base na graça preventiva e, nessa medida, o princípio, tipo e essência da Igreja. [3]

Barth continuou concluindo sobre a doutrina mariana: “A mariologia é uma excrescência, isto é, uma construção doentia do pensamento teológico. Os crescimentos devem ser removidos ". [4]

Observe que Barth fez referência específica ao conceito de "criatura humana cooperando" na "redenção" em sua condenação da doutrina católica da coredenção mariana.

Que um proeminente teólogo protestante rejeitou todo o ensino católico sobre Maria e sua cooperação humana na Redenção com base em suas premissas da Reforma " solus Christus ", " sola fide " e " sola scriptura“Não deveria surpreender ninguém. Mas quando a discussão teológica católica contemporânea apresenta rejeições semelhantes a respeito da co-redenção de Maria com e sob Cristo, então devemos admitir uma grave omissão da fé católica. Essa omissão de fé vai muito além do campo da mariologia. Em princípio, ele ameaça a própria essência das verdades soteriológicas fundamentais católicas relativas à natureza da fé, graça e redenção. Questiona o imperativo cristão da livre cooperação humana em nossa redenção e na redenção dos outros.

Quando são feitas declarações por membros da Igreja que refletem os equívocos de Barth, como "Somente Jesus pode estar envolvido na Redenção" e "nenhum ser humano pode cooperar na Redenção", então o ensino católico fundamental - e também sua exemplificação mais extraordinária manifestada na cooperação singular de Maria na redenção - é negada. Isso constitui, embora não intencional, a rejeição de um componente dogmático essencial da Tradição Católica, da verdade e do depositum fidei : a) a colaboração humana livre e ativa com a graça é necessária para receber os frutos da Redenção; eb) todos os cristãos são chamados a participar da missão universal de redenção humana de Cristo para nós e para os outros.

Como, então, a Igreja articula positivamente a necessidade providencial de cooperação humana gratuita dentro do ato divino da Redenção?

Liberdade, Criação, Redenção

O maior presente que nosso Criador nos deu, indissociavelmente ligado à vida humana, é a liberdade humana. A liberdade humana, qualidade essencial de sermos criados à imagem e semelhança de Deus, permite-nos escolher e amar. Deus é livre e Deus fez o homem livre.

Se a liberdade é um componente tão indispensável do ser humano, por que deveríamos nos surpreender que o exercício da liberdade humana seja uma dimensão tão crítica na redenção humana?

Deus, o Pai, escolhe livremente enviar seu Filho para se tornar carne para nossa redenção. Jesus escolhe livremente ser obediente ao plano do Pai para a redenção humana morrendo por nós no Calvário. Nós, por nossa vez, devemos escolher livremente aceitar as graças da redenção merecidas por Cristo para nossa salvação pessoal. É um plano providencial de liberdade pessoal, divina e humana que torna possível a nossa redenção humana.

Jesus Cristo é o Filho de Deus feito homem que redime a humanidade como somente um Redentor divino poderia fazer. Jesus paga o preço infinito com seu próprio sangue pelo pecado humano, oferecendo ao Pai celestial o seu próprio sacrifício no Calvário pelas ofensas da humanidade contra um Deus infinito. Só um ser divino poderia reparar a totalidade de todos os pecados humanos. Somente Jesus, divina e humanamente, redime o mundo na ordem da justiça - o propósito da discussão, para qualquer cristão ortodoxo, da necessidade absoluta de um Redentor divino para a redenção humana.

As criaturas humanas podem, portanto, participar da missão da redenção humana realizada pelo único Redentor divino?

“Deus, que nos criou sem nós, não quis nos salvar sem nós” [5]. Santo Agostinho articula claramente a necessidade da liberdade humana para a redenção humana. [6] A aceitação livre e pessoal por cada pessoa humana das graças redentoras de Jesus obtidas com a sua redenção histórica e objetiva no Calvário constitui um ensinamento dogmático católico essencial, perene e inegociável. [7]

Também vemos o imperativo católico não apenas de cooperar livremente com Jesus em nossa redenção, mas também de participar dinamicamente na redenção de outros seres humanos. Este constitui o mandato cristão universal do Redentor de ir pregar a todas as nações, baptizando-as em nome da Trindade (cf. Mt 28,19); oferecer os nossos sofrimentos e os nossos sacrifícios pelo bem da Igreja e pelo seu crescimento (cf. Col 1, 24); e ser "colaboradores de Deus" na missão crucial da redenção humana (cf. 1 Cor 3, 9).

Cooperar é co-resgatar

O chamado para participar da Redenção dos outros, para “co-redimir” para usar um único termo, nunca deixa de reconhecer a absoluta necessidade teológica, metafísica e existencial de Jesus Cristo como nosso único Redentor divino.

Nem, por outro lado, torna a cooperação humana igualmente necessária na Redenção banal ou meramente simbólica. Como essas duas realidades necessárias podem existir ao mesmo tempo sem violar a integridade ou a liberdade de nenhuma delas?

Tomemos por exemplo (obviamente, sempre dentro dos limites de exemplos concretos) um certo número de seres humanos que caem em um buraco fundo sem a capacidade de sair dele por conta própria. Uma mão divina desce: é a mão de Cristo. Uma das pessoas caídas escolhe livremente agarrar a mão de Cristo e é puxada para fora. Ele é então redimido pelo poder de Cristo.

Também dizemos que enquanto aquela pessoa é puxada para fora do buraco pela mão de Cristo, ela agarra a mão de outra pessoa que caiu no abismo que aceita de bom grado sua mão humana, e então a segunda pessoa também é puxada para fora. A segunda pessoa é, portanto, redimida pelo (necessário) poder de Cristo, mas também pela cooperação humana instrumental da primeira pessoa. Assim, a humanidade pode participar instrumentalmente da Redenção de Cristo, permanecendo absoluta e inteiramente dependente de Cristo, o único Redentor divino.

Se nós, cristãos, caídos mas redimidos como somos, fomos repetidamente chamados pelos pontífices romanos a cumprir fielmente nossa obrigação como batizados de nos tornarmos "co-redentores com Cristo", [8] poderíamos talvez negar o mesmo papel a mãe humana de Jesus?

A singularidade da redenção mariana

Um ser humano foi criado "cheio de graça" pelo Pai. A Imaculada Conceição de Maria, estando livre do pecado e escolhendo nunca se rebelar contra o desígnio do Pai, preparou e apoiou seu papel humano especial na missão redentora de Cristo.

Que outro ser humano poderia razoavelmente alegar ter dado ao divino Redentor o próprio instrumento da Redenção, seu corpo humano? «Somos santificados pela oferta do corpo de Jesus Cristo uma vez por todas» (Hb 10,10), e esse corpo humano foi dado a Jesus por uma mãe humana, em virtude do seu «sim» livre, ativo e feminino . "

Mas, uma vez que a maternidade humana de Maria não era substituta, mas perene, sua cooperação humana não termina com a concepção divina em Nazaré e o nascimento milagroso em Belém. A sua missão corredentora com Jesus continuou por toda a duração da sua vida terrena, onde, como confirma o Concílio, «ela perseverou fielmente unida ao seu filho até à cruz». [9] A Mãe sofreu no seu coração humano o que o Filho sofreu no seu coração divino e ofereceu toda a sua agonia materna na união humana co-redentora com Jesus para a Redenção do mundo. Maria livre e humanamente "consentiu na imolação desta vítima nascida dela" " [10]neste ensino sublime do Vaticano II. São João Paulo II explica ainda que os sofrimentos humanos de Maria unida a Jesus constituíram uma contribuição sobrenatural "para a redenção de todos":

É, antes de tudo, consolador - como é evangelicamente e historicamente correto - constatar que ao lado de Cristo, na primeira e mais proeminente posição junto a ele, está sempre a sua Santíssima Mãe como testemunho exemplar, que com toda a sua vida faz este evangelho particular do sofrimento. Nela os numerosos e intensos sofrimentos se combinaram em tal conexão e concatenação que, se eram a prova de sua fé inabalável, eram também uma contribuição para a redenção de todos. Na realidade, a partir da conversa misteriosa que teve com o anjo, ela vislumbrou em sua missão de mãe o "destino" para compartilhar de forma única e irrepetível a própria missão do Filho. ... E ainda, depois dos acontecimentos da vida oculta e pública de seu Filho, que ela sem dúvida compartilhou com aguda sensibilidade, foi no Calvário que o sofrimento de Maria Santíssima, junto ao de Jesus, atingiu um pico que é difícil de imaginar em sua altura do ponto de vista humano, mas certamente misterioso e sobrenaturalmente fecundo para os propósitos da salvação universal.[11]

Meio século antes, o Papa Pio XI já havia articulado o papel de Maria de cooperação humana incomparável na Redenção realizada por Cristo, e ele defendeu fortemente o uso do título de Corredentora para indicar esse papel:

O Redentor não pôde, por necessidade, deixar de associar Sua Mãe à Sua obra, e por isso a invocamos com o título de Corredentora. Ela nos deu o Salvador, elevou-o à obra da redenção até a cruz, compartilhando com ele as dores da agonia e da morte em que Jesus consumiu a redenção de todos os homens. [12]

O uso de títulos como Corredentora busca personificar, em uma palavra, o cerne da doutrina e, ao mesmo tempo, acentuar as verdades-chave para nossa fé e salvação. A Corredentora serve a ambos os propósitos, lembrando ao mesmo tempo aos fiéis, com o sublime exemplo mariano, o apelo a oferecer nossas orações e nossos sofrimentos para a máxima eficácia possível da Nova Evangelização: em suma, difundir a fé e para salvar almas.

Muito antes do século XX, o princípio da co-redenção humana de Maria nos leva de volta ao antigo ensinamento da Igreja apostólica. Como reitera o Concílio, Maria como "Nova Eva" estava "cooperando livremente na obra da salvação humana". [13] Como ensina Santo Irineu no século II, a única participação humana de Maria na Redenção histórica e universal foi livre, ativa e até causal, "para toda a raça humana":

Assim, Maria ... consagrou-se totalmente como escrava do Senhor à pessoa e obra de seu Filho, servindo o mistério da redenção na dependência dele e com ele, com a graça de Deus Todo-Poderoso. Portanto, os santos Padres acreditam corretamente que Maria não foi um instrumento meramente passivo nas mãos de Deus, mas que ela cooperou na salvação do homem com fé livre e obediência. Com efeito, como diz Santo Irineu, «com a sua obediência tornou-se causa de salvação para si e para toda a raça humana». [14]

A participação de Eva com Adão na perda da graça para a humanidade foi real e essencial. Verdadeira e essencial também foi a participação de Maria, a Nova Eva com o Novo Adão na Redenção que restaurou a graça.

Como, então, a Igreja pode negar ou mesmo questionar a legitimidade da ativa participação humana de Maria na Redenção? Esta verdade mariana perpassa todo o leque teológico e histórico da autêntica Tradição e Magistério católico, conciliar e papal.

Cooperar é co-redimir. A participação humana na Redenção é necessariamente co-redentora humanamente.

Alguns podem argumentar que o termo "redenção" deveria ser reservado apenas para o ato divino de Jesus, mas isso logicamente negaria outra doutrina e missão católica central: participar livre e ativamente na vida e na missão salvadora de Jesus Cristo.

Quando um ser inferior, um ser humano, participa de uma qualidade ou perfeição do ser superior, Deus, essa participação nada tira ou compete com a perfeição de Deus. Assim, para um ser humano, participar da obra de Jesus , o Divino Redentor, nada tira ou compete com a mediação única de Jesus (cf. 1 Tm 2,5), mas antes manifesta a sua glória. Como ensina o Concílio: «A função materna de Maria para com os homens em nada obscurece ou diminui esta mediação única de Cristo, mas mostra a sua eficácia». [15]

A própria realidade da participação humana na atividade e vida divinas é celebrada liturgicamente nas palavras do diácono, ou na sua ausência do sacerdote, que reza com reverência acrescentando água ao vinho na preparação dos dons durante o ofertório: "para a misteriosa união desta água e deste vinho, que nos seja permitido participar na divindade dAquele que se dignou a participar da nossa natureza humana "" Para o mistério desta água e deste vinho, viemos compartilhar a divindade de Cristo que se humilhou para compartilhar nossa humanidade ”. A participação humana na vida e atividade divinas permeia toda a vida sacramental católica.

O Concílio também defende a realidade cristã da "partilha" e "cooperação" humana na mediação divina do Redentor:

Na verdade, nenhuma criatura pode ser comparada à Palavra encarnada e redentora. Mas, assim como o sacerdócio de Cristo é compartilhado de várias maneiras, tanto pelos ministros sagrados como pelos fiéis, e como a única bondade de Deus se difunde realmente de várias maneiras nas criaturas, também a única mediação do Redentor não o excluir, pelo contrário, desperta nas criaturas uma cooperação variada participada por uma única fonte. [16]

Analogia é uma ferramenta teológica clássica usada na história da teologia católica. Que alguém ou algo pode ter uma semelhança essencial e uma dessemelhança essencial ao mesmo tempo, tem sido usado desde os Padres Apostólicos para falar da participação humana nas realidades divinas. "Deificação" e "divinização" foram usadas durante os primeiros três séculos do Cristianismo para se referir a como o indivíduo cristão participava da vida e do amor da Trindade, em uma palavra, na graça. Usar expressões como "corredentores em Cristo", para a obrigação cristã universal de participar da Redenção (cf. Colossenses 1:24), ou chamar Maria de "Corredentora" humana simplesmente segue a rica tradição teológica católica Analogia da igreja. Ambos foram repetidos várias vezes pelo grande São João Paulo II. [17]

Maria corredentora e ecumenismo

O teólogo anglicano John Macquarrie ofereceu conselhos sábios e honestos às autoridades católicas e protestantes envolvidas na atividade ecumênica em relação à discussão da corredenção e mediação mariana:

A questão não pode ser resolvida apontando para os perigos do exagero e do abuso, ou apelando para textos isolados das Escrituras, como 1 Timóteo 2,5, ou pela mudança da moda na teologia e espiritualidade, ou pelo desejo de não dizer nada que pode ofender seus interlocutores no diálogo ecumênico. Os entusiastas temerários podem ter elevado Maria a uma posição de virtual igualdade com Cristo, mas essa aberração não é uma consequência necessária do reconhecimento de que pode haver uma verdade que busca se expressar em palavras como Medianeira e Corredentora. Todos os teólogos responsáveis ​​concordariam que o papel corredentor de Maria é subordinado e auxiliar ao papel central de Cristo. Mas se ela desempenha esse papel, quanto mais claramente o entendermos, melhor. É uma questão de investigação teológica. E,[18]

É tempo de a Igreja expor seu ensino doutrinário sobre a necessidade da cooperação humana na Redenção em total transparência ecumênica e confiar na força do Espírito para unir os cristãos na cabeça e no coração.

Agora é a hora de a Igreja ensinar de forma inequívoca a missão cristã e o mandato para que os seres humanos cooperem ativa e livremente em sua própria redenção e na redenção dos outros.

Chegou o momento de invocar todo o poder de intercessão de Nossa Senhora, reconhecendo-a solenemente como Mãe da Igreja, nossa verdadeira Corredentora e Medianeira humana, por um mundo que necessita desesperadamente das graças redentoras de Jesus Cristo e da autêntica unidade dos cristãos. .

* titular da cátedra de Mariologia São João Paulo II

Universidade Franciscana de Steubenville, EUA

Presidente da Associação Mariana Internacional

[1] João Paulo II, carta encíclica, Ut Unum Sint (25 de maio de 1995), n. 18

[2] Karl Barth, Church Dogmatics: A Doutrina da Palavra de Deus , Parte 2, editado por GW Bromiley e TF Torrance (Londres e Nova York: T&T Clark, 2004) p. 143

[3] Ibid.

[4] Ibid., P. 139

[5] Santo Agostinho, Sermo 169,11, 13: PL 38, 923. Catecismo da Igreja Católica , n. 1847.

[6] É claro, casos específicos, como o batismo infantil respeitar o princípio da liberdade humana como a Igreja como mãe espiritual, unida com a fé dos pais, escolhe para a criança até que a criança é suficiente idade para cooperar livremente com a escolha da fé feita por seus pais dentro da Igreja Mãe (cf. Santo Tomás de Aquino, Summa theologiae III, Qu. 68, a. 9, respostas às objeções 1 e 2).

[7] Concílio de Trento, 1547 DC; DS 1525 e 1554.

[8] cf. Pio XI, Alocução aos peregrinos de Vicenza, Itália, 30 de novembro de 1933, L'Osservatore Roma n., 1 de dezembro de 1933, 1; Pio XI, Alocução aos peregrinos espanhóis, L'Osservatore Romano , 25 de março de 1934, 1; Pio XI, Mensagem de rádio para o encerramento do Ano Santo em Lourdes, L'Osservatore Romano , 29-30 de abril de 1935, 1.

Ver Audiência Geral João Paulo II, 10 de dezembro de 1980 ( Insegnamenti di Giovanni Paolo [ Inseg ] II, III / 2 [1980], p. 1646); Audiência Geral de 8 de setembro de 1982 ( Inseg V / 3 [1982], p. 404); Endereço do Angelus de 4 de novembro de 1984 ( Inseg VII / 2 [1984], p. 1151); Discurso na Jornada Mundial da Juventude em 31 de março de 1985 ( Inseg VIII / 1 [1985], p. 889-890); Discurso aos enfermos em 24 de março de 1990 ( Inseg XIII / 1 [1990], p. 743); Discurso de 6 de outubro de 1991 ( Inseg XIV / 2 [1991], p. 756). Além disso, em uma homilia em Guayaquil, Equador, em 31 de janeiro de 1985, João Paulo II falou do " papel corredentor de Maria ( el papel corredentor de María: Inseg VIII [1985], p. 319), que foi traduzido como “O papel de Maria como Corredentora” em L'Osservatore Romano , ed. English, 11 de março de 1985, p. 7

[9] Concílio Vaticano II , Lumen gentium , n. 58

[10] Ibid.

[11] João Paulo II, carta apostólica, Salvifici doloris , 1984, n. 25

[12] Pio XI, Alocução aos peregrinos de Vicenza, Itália, 30 de novembro de 1933, L'Osservatore Romano , 1 de dezembro de 1933, p. 1

[13] Concílio Vaticano II, Lumen gentium , 56.

[14] Ibid.

[15] Ibidem, 60.

[16] Lumen gentium , 62.

[17] Para corredentores em Cristo, ver, por exemplo, João Paulo II, Discurso aos funcionários do hospital Fatebenefratelli, L'Osservatore Romano , 5 de abril de 1981. Para os usos de corredentores, cf. Audiência geral de João Paulo II, 10 de dezembro de 1980 ( Insegnamenti di Giovanni Paolo [ Inseg ] II, III / 2 [1980], p. 1646); Audiência Geral de 8 de setembro de 1982 ( Inseg V / 3 [1982], p. 404); Endereço do Angelus de 4 de novembro de 1984 ( Inseg VII / 2 [1984], p. 1151); Discurso na Jornada Mundial da Juventude em 31 de março de 1985 ( Inseg VIII / 1 [1985], p. 889-890); Discurso ao doente em 24 de março de 1990 ( InsegXIII / 1 [1990], p. 743); Discurso de 6 de outubro de 1991 ( Inseg XIV / 2 [1991], p. 756). Além disso, em uma homilia em Guayaquil, Equador, em 31 de janeiro de 1985, João Paulo II falou do “ papel corredentor de Maria ( el papel corredentor de María ): Inseg VIII [1985], p. 319), que foi traduzido como “O papel de Maria como Corredentora” em L'Osservatore Romano , ed. English, 11 de março de 1985, p. 7

[18] John Macquarrie, "Mary Co-redemptrix and Disputes Over Justificação and Grace: An Anglican View," Mary Co-redemptrix: Ecumenically Doutrinal Issues Today (Goleta, CA: Queenship, 2002), p. 140

Fonte:https://www.aldomariavalli.it/2021/08/13/maria-sacrificata-sullaltare-dellecumenismo/




Artigo Visto: 273

 




Total Visitas Únicas: 5.351.298
Visitas Únicas Hoje: 175
Usuários Online: 88