"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
04/08/2020
O USO POLÍTICO DO MEDO. O QUE REALMENTE ACONTECE (Bernard Henri Lévy, Giorgio Agamben e Jacques Attali)
 

O USO POLÍTICO DO MEDO. O QUE REALMENTE ACONTECE (Bernard Henri Lévy, Giorgio Agamben e Jacques Attali)

03-08-2020

A pandemia é um imenso desastre para todos os povos. Mas houve (e existe) um uso político do medo por certas elites governantes? E para que propósitos? Alguém está certo que acha que uma experiência política gigantesca e perturbadora está em andamento?

Coronavirus: en Italia murieron 627 personas en un día y hay 4032 ...

Alguns pensadores "não alinhados" falam sobre isso, e imediatamente o sistema de mídia os deslegitima como "conspiradores". Mas perceber que algo estranho está acontecendo também é – por exemplo – o pensador símbolo do europeismo mainstream, Bernard Henri Lévy, que acaba de publicar um livro: "O vírus que enlouquece".

Lévy nota, com razão, que a epidemia de Covid não foi de forma alguma uma novidade apocalíptica em nossos anos. Ele lembra a gripe de Hong Kong, "depois de maio de 68", que matou um milhão "por hemorragia ou asfixia pulmonar" ou, dez anos antes, a gripe asiática, que também veio da China, que causou dois milhões de mortes.

Mas não houve pânico planetário como hoje. Lévy diz que está "congelado", mas não pela pandemia: pela "maneira muito estranha pela qual reagimos desta vez", pela "epidemia de medo que tomou conta do mundo".

Na verdade, "vimos cidades em todo o mundo se tornarem cidades fantasmas. Todos nós vimos, de um lado do planeta para o outro... povos inteiros tremem e são arrastados para suas casas, às vezes com cassetetes, como animais selvagens em suas tocas.

Lévy se pergunta se é a "vitória dos sábios do mundo que vêem neste grande confinamento – (...) a 'grande internação' teorizada por Michel Foucault nos textos em que descrevia os sistemas de poder do futuro – a prova geral de um novo tipo de detenção e prisão domiciliar dos corpos". Ou se é "o oposto" ou "o sinal reconfortante de que o mundo mudou, que finalmente sacraliza a vida e que entre ela e a economia, escolhe a vida".

A segunda hipótese me parece radicalmente refutada por muitos fatos e dados mostrando como a vida humana no mundo perdeu totalmente sua sacralidade.

Continuaria sendo o primeiro, mas infelizmente Lévy não o analisa. Claro, note que "foi a primeira vez que vimos todas as mentes críticas da galáxia ultraesquerda aplaudindo um estado de emergência". Mas ele pára de protestar contra o medo.

No entanto, ele cita o filósofo italiano Giorgio Agamben, que – estando à esquerda – provocou dúvidas e controvérsias à esquerda porque, refletindo sobre as "consequências éticas e políticas" da tempestade Covid, capturou "a transformação dos paradigmas políticos que as medidas excepcionais estavam desenhando".

Em seu livro "Onde estamos?", ele avalia o caso Covid "de uma perspectiva histórica mais ampla" e conclui que algo importante estava (e está) sendo experimentado.

Ele escreve: "Se os poderes que governam o mundo decidiram aproveitar o pretexto de uma pandemia para transformar de cima para baixo os paradigmas de seu governo de homens e coisas, isso significa que esses modelos estavam em seus olhos em declínio progressivo e inexorável e não estavam mais adaptados às novas necessidades (...) os poderes dominantes decidiram abandonar sem arrependimento os paradigmas das democracias burguesas, com seus direitos, seus parlamentos e suas constituições, para substituí-los por novos dispositivos dos quais mal podemos vislumbrar o projeto, provavelmente ainda não completamente claro".

Você pode realmente usar politicamente "o pretexto de uma pandemia" ou Agamben exagera? Na verdade, há aqueles que, há alguns anos, pediram o "uso" de uma possível pandemia para fins políticos (claro, em sua opinião) louváveis.

Em 2009 – quando se temia a propagação da gripe suína – o famoso economista e tecnocrata francês Jacques Attali, como analista perspicaz, em um artigo no "L'Express", escreveu: "A história nos ensina que a humanidade não evolui significativamente, exceto quando tem realmente medo: então coloca em prática primeiro de todos os mecanismos de defesa; às vezes intolerável (bodes expiatórios e totalitarismo); às vezes inútil (distração); (estratégias terapêuticas, rejeitando todos os princípios morais anteriores, se necessário). Então, uma vez que a crise acaba, transforma esses mecanismos para torná-los compatíveis com a liberdade individual e incluí-los em uma política democrática de saúde. Essa pandemia inicial", escreveu Attali, "poderia desencadear um desses medos estruturais".

Em particular, Attali, prevendo a necessidade de governar "mecanismos de prevenção e controle" para "uma distribuição justa de medicamentos e vacinas", escreveu: "Vamos, portanto, muito mais rápido do que a única razão econômica, para estabelecer as bases de um governo do mundo real" e "enquanto isso, poderíamos pelo menos esperar pela implementação de uma política europeia real sobre este assunto".

Attali publicou em 2006 "Uma breve história do futuro" e já lá imaginava um "governo mundial" que marcava o fim da hegemonia americana e via "a União Europeia na vanguarda da hiper-democracia". Mas essa utopia dela tinha as características de uma distopia sombria.

Antonio Socci

de "Libero", 3 de agosto de 2020

Fonte: https://www.antoniosocci.com/luso-politico-della-paura-cosa-sta-veramente-accadendo-bernard-henri-levy-giorgio-agamben-e-jacques-attali/?

 
 
 

Artigo Visto: 247 - Impresso: 0 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.302.061 - Visitas Únicas Hoje: 890 Usuários Online: 234