"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
31/07/2020
"Covid para sempre", mas a ciência silencia aos alarmes
 

"Covid para sempre", mas a ciência silencia aos alarmes

31/07/2020

Vivemos em um estado de constante alarmismo e não importa que as evidências científicas digam que Covid é hoje uma doença curável. E até a agência de medicamentos o certifica com um relatório ignorado pela mídia: até o momento, existem 21 medicamentos já presentes que podem bloquear a replicação do Sars-CoV-2. E, entre elas, a hidroxicloroquina, cujo uso registrou um aumento no período de expansão máxima. Um sinal de que os médicos italianos, que trabalhavam no campo e não os que falavam na televisão, foram além dos limites dos protocolos.

É sempre um momento de alarmismo. A vulgação oficial em Covid é simples: o vírus continua a circular, novos surtos podem surgir, o verão é apenas uma trégua, no outono ele voltará.

Pouco importa que as evidências científicas digam mais , que na maioria dos países europeus a vida já voltou ao normal, que na própria Itália os cuidados intensivos estão agora desertos, que as mortes diárias podem ser contadas nos dedos de uma mão e, acima de tudo, Covid é uma doença tratável, como muitas outras. E isso não é negação, mas são os dados que foram comunicados pelos líderes da assistência médica italiana.

Ainda ontem, o relatório de uso foi apresentadomedicamentos durante a epidemia COVID-19, realizada graças aos dados processados pelo Observatório Nacional de Uso de Medicamentos (OsMed) da Agência Italiana de Medicamentos. O Relatório Aifa, que acompanhou a tendência entre fevereiro e maio sobre o uso de drogas, pode parecer um texto extremamente técnico, para especialistas, mas, na realidade, contém alguns elementos de extremo interesse também e, sobretudo, para o público em geral, o que ainda hoje sofre pelo terrorismo de estado psicológico, que o leva a acreditar que vivemos em uma emergência, que o vírus ainda está disseminado, que novos surtos de contágio podem explodir a qualquer momento e que podemos voltar à escuridão do confinamento, a única medida que o governo Conde considera indispensável para enfrentar o vírus.

Na realidade, o documento da Aifa nos apresenta uma situação muito diferente.

O documento analisa o tipo e o consumo de medicamentos usados nos primeiros meses de 2020 para tratar a infecção por COVID-19, mas também aqueles usados em unidades públicas de saúde para lidar com a emergência, com diferenças destacadas entre o período anterior ao COVID-19. , identificados no trimestre de dezembro de 2019 a fevereiro de 2020 e no seguinte, de março a maio de 2020.

O Relatório é composto por três seções que investigam os diferentes métodos de entrega de medicamentos: o canal de compra direta, ou seja, os medicamentos adquiridos e distribuídos diretamente nas estruturas do Serviço Nacional de Saúde (NHS); compras em farmácias locais públicas e privadas reembolsadas pelo NHS mediante receita médica; particulares para cidadãos, principalmente para drogas de classe C.

O primeiro fato destacado no relatório é que, entre os medicamentos utilizados no tratamento de pacientes com COVID-19, a hidroxicloroquina e a azitromicina apresentam o maior consumo no período considerado. Em resumo: uma vez que os primeiros dados sobre o uso desses medicamentos, em particular a cloroquina, foram divulgados, os médicos italianos não tiveram dúvidas sobre o uso deles, apesar da barragem levantada pela mídia do regime, que deu mais voz aos virologistas. em voga e bem-vindo ao estabelecimento , a partir das americanas Fauci, nega absolutamente a eficácia da cloroquina. La Bussola também havia documentado na época as tentativas desajeitadas e desmascaradas da própria OMS de negar validade à cloroquina.

O relatório da AIFA mostra, portanto, que desde abril o uso de cloroquina na Itália tem aumentado cada vez mais, e talvez não seja de surpreender que a taxa de mortalidade tenha diminuído proporcionalmente.

Portanto, deve-se observar com satisfação o fato de muitos médicos italianos, aqueles que trabalhavam no campo e não os que falavam na televisão, foram além dos protocolos, dos procedimentos rígidos e tentaram enfrentar a doença de todos os modos que eles poderiam ter. Um exemplo de medicina do lado das pessoas.

Outro número significativo vem da análise dos medicamentos utilizados no hospital, onde há um maior consumo de anestésicos gerais, sedativos injetáveis e curativos a partir de fevereiro de 2020. Os medicamentos certamente não pretendem combater o vírus, mas evidentemente costumam "Acompanhar" os pacientes até a morte. Um número que já havia surgido de vários depoimentos de membros da família e que agora estão oficialmente confirmados.
Voltando aos medicamentos usados para combater o vírus , deve-se notar que os ensaios clínicos já em andamento, oficialmente autorizados pela Agência de Medicamentos e pelo Comitê Nacional de Ética, continuam nesse meio tempo. Foram lançados 38 ensaios clínicos em nosso país, enquanto outras boas notícias vêm dos Estados Unidos, onde foram identificados 21 medicamentos já existentes que demonstraram que podem bloquear a replicação do Sars-CoV-2. Este é o resultado de um estudo publicado na revista Nature e realizado através de uma triagem máxima em 12.000 moléculas.

Uma equipe de pesquisa internacional realizou extensos testes, incluindo a avaliação de biópsias de pulmões infectados pelo vírus, utilizando um dos maiores bancos de dados de medicamentos (ReFRAME). Assim, 100 moléculas com atividade antiviral confirmada em laboratório foram identificadas. Destes, 21 provaram ser eficazes no bloqueio da replicação de Sars-Cov-2 em doses que garantem a segurança do paciente. Este estudo expande significativamente possíveis opções terapêuticas, especialmente porque muitas das moléculas já possuem dados de segurança clínica em humanos.

Todas essas notícias importantes são sistematicamente ignoradas pela mídia . No entanto, não se trata de notícias falsas, de hipóteses de teóricos da conspiração, mas de estudos absolutamente credenciados de realidades científicas. Todos esses estudos nos dizem que o Covid não é de modo algum o "novo espanhol", uma tragédia imparável, um cataclismo planetário, mas um vírus como muitos outros e que pode ser erradicado. Nem é necessário esperar por uma vacina, que agora na mídia - e até mesmo em alguns documentos do Vaticano - é indicada como a poção mágica que salvará a Humana Communita s: os tratamentos já estão aqui, estão acessíveis, estão disponíveis.

Por que essa cegueira desejada persiste diante dos sucessos da pesquisa e mantém um alto nível de alarmismo? As respostas a essa pergunta não devem ser buscadas no campo da medicina, mas exclusivamente na política.

infelizmente, no entanto, as escolhas políticas podem ter sérias conseqüências para a saúde das pessoas. Todo mundo continua falando sobre as 35.000 mortes de Covid, mas não devemos esquecer que todos os anos na Itália mais 500.000 pessoas morrem de outras doenças, do tipo degenerativo crônico, e que esse número deverá aumentar consideravelmente se a saúde pública não surgir o mais rápido possível de emergência e deixa de ser centrado no Covid.

O citado relatório da Aifa diz que, no período do covid, o consumo para as categorias de medicamentos usados para doenças crônicas permaneceu estável, testemunhando o resultado bem-sucedido - diz Aifa- das estratégias implementadas para incentivar a continuidade do atendimento aos doentes crônicos e frágeis, incluindo a extensão da validade dos planos terapêuticos, a desmaterialização da prescrição médica e informações institucionais.

No entanto, todas as atividades de diagnóstico estão fechadas há muito tempo e hoje as listas de espera para visitas e exames se prolongam por meses. Isso pode ter consequências trágicas para pacientes com câncer ou com doenças crônicas graves. Esta é a realidade para se realmente se alarmar. Um quadro epidemiológico preocupante que não goza da atenção da mídia.

Fonte:https://lanuovabq.it/it/covid-per-sempre-ma-la-scienza-zittisce-gli-allarmisti

 
 
 

Artigo Visto: 356 - Impresso: 2 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.291.610 - Visitas Únicas Hoje: 474 Usuários Online: 167