"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
30/07/2020
Surpresa: UE previu passaporte de vacinação antes da pandemia
 

Surpresa: UE previu passaporte de vacinação antes da pandemia

28 de julho de 2020

Surpresa, surpresa, a Comissão Europeia (CE) havia preparado um "Roteiro de Vacinação" meses antes da pandemia COVID-19 irromper.

O roteiro deve levar a uma "proposta da Comissão para um cartão de vacinação/passaporte comum para os cidadãos da UE até 2022".

Atualizado pela última vez durante o terceiro trimestre de 2019, o documento de 10 páginas foi seguido, em 12 de setembro, por uma "Cúpula Global de Vacinação" organizada conjuntamente pela CE e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Sob o título "Dez Ações para a Vacinação para Todos - Todos devem ser capazes de se beneficiar do Poder de Vacinação", o manifesto da cúpula lamenta que:

"Apesar da disponibilidade de vacinas seguras e eficazes, falta de acesso, escassez de vacinas, desinformação, complacência nos riscos de doenças, redução da confiança do público no valor das vacinas e desinvestimentos estão prejudicando as taxas de vacinação em todo o mundo."

E com eles, pode-se dizer, os benefícios das companhias farmacêuticas.

Em julho de 2017, por exemplo, a Itália fez 12 vacinas obrigatórias para crianças. Em seguida, os preços dessas mesmas vacinas subiram 62%: de um preço médio por dose de 14,02 euros para 22,74 euros.

O mercado global de vacinação vale atualmente US$ 27 bilhões por ano. A OMS estima que chegará a US$ 100 bilhões até 2025.

Como a Cúpula Global de Vacinação da CE-OMS também discutiu uma agenda de vacinação renovada até 2030, os acionistas de grandes empresas farmacêuticas não têm que se preocupar com o desempenho de longo prazo de suas ações.

Na realidade, você não precisa "prejudicar as taxas de vacinação em todo o mundo".

O manifesto da cúpula global sobre vacinação passa a listar 10 "lições (...) e ações necessárias para a vacinação de todos".

Cada "lição" é uma joia do que o filósofo neomarxista italiano Diego Fusaro chama de "capitalismo terapêutico".

A redação é perentorial e não deixa espaço para nuances e debates. Adjetivos como "todos" "todos" "todos" "indiscutivelmente" abundam. Declarações em clima condicional estão ausentes.

Mais do que um plano de ação cauteloso e inspirado na ciência, o tom - "proteger todos os lugares", "não deixar ninguém para trás" - é inadequadamente messiânico.

E aqueles que não querem ser "protegidos" assim? Só na Alemanha, aproximadamente 10% de toda a população, ou 8 milhões de pessoas, são fortemente contra uma vacina coronavírus.

Mas vamos ver o que podemos aprender, por assim dizer, com essas "lições".

A lição 1 começa com" "Promovendo a Liderança Política Global e o Compromisso com a Vacinação" - isso parece ser o que estamos testemunhando agora, com governos de todo o mundo sugerindo que máscaras e distanciamento social permanecerão em vigor até que uma vacina para o Crown-Sars2 seja encontrada.

E os políticos que são contra a vacinação?

Será que seus eleitores, como o comissário de Orçamento da UE Gunther Oettinger (em)famoso com os eleitores italianos em 2018, serão informados de que "os mercados os ensinarão a votar no que é certo"?

Será que uma nova pandemia será liberada para ensinar as pessoas a votar na coisa certa a fazer?

Lição 4, "Enfrentando as causas básicas da hesitação vacinal, aumentando a confiança na vacinação", parece ser o projeto de uma grande campanha de propaganda, que prevê - lemos no roteiro da UE sobre vacinas - o "desenvolvimento de módulos de treinamento on-line voltados para GPs e prestadores de cuidados primários de saúde, com foco na melhoria das habilidades para atingir populações hesitantes e na promoção de mudanças comportamentais".

Lição 5, "Aproveitar o Poder das Tecnologias Digitais para fortalecer o monitoramento do desempenho dos programas de vacinação", levanta, em tempos de rastreamento de aplicativos e pulseiras eletrônicas, preocupações legítimas sobre a invasão de tecnologia em nossas vidas - e em nossos corpos.

De que tecnologias digitais estamos falando? Talvez um chip subcutâneo, como o recém-patenteado número satânico 060606 pela Fundação Bill e Melinda Gates?

A lição 9 é, para o jornalista não primário, e para a liberdade de expressão em geral:

"Capacitar profissionais de saúde em todos os níveis, bem como a mídia, a fornecer informações eficazes, transparentes e objetivas ao público e combater informações falsas e enganosas, incluindo a participação em plataformas de mídia social e empresas de tecnologia."

Aqui vamos nós: a luta contra as chamadas "Fake News" está de volta. Mais trabalho para o auto-proclamado "Facts-Checkers" do Facebook.

Fake News é, naturalmente, jargão orwelliano para qualquer informação não alinhada, independentemente de seu conteúdo, origem e verificação.

De fato, o manifesto global de vacinação não fornece qualquer definição de "informação objetiva", ou "informações falsas e enganosas".

Se as vacinas são tão seguras quanto a UE e a OMS afirmam sem oferecer qualquer evidência, por que então o governo dos EUA criou, já na década de 1980, uma agência chamada Programa Nacional de Compensação de Lesões de Vacinas (VICP)?

Lemos no site oficial da VICP, "uma alternativa "sem culpa" ao sistema legal tradicional para resolver pedidos de lesão vacinal."

Com muito sucesso, parece ser.

No período de 01/10/1988 (quando o VICP começou a conceder indenização) a 06/01/2020 (último dado disponível), a VICP concedeu uma indenização total de US$ 4.385.672.580,43.

Este valor exclui a compensação resultante de ações judiciais reais, em particular ações contra a Big Pharma.

Mas, como explica o documentarista italiano Massimo Mazzucco, as autoridades americanas não pararam por aí para proteger a Big Pharma de ações legais.

Em 2010, uma decisão histórica da Suprema Corte dos EUA citou o Título do Código dos EUA 42 da seguinte forma:

"A lei elimina a responsabilidade do fabricante pelos inevitáveis efeitos colaterais adversos de uma vacina."

A mesma falha é explicada com mais detalhes:

"Nenhum fabricante de vacinas será responsabilizado em uma ação civil por danos decorrentes de lesões ou mortes relacionadas à administração de uma vacina após 1º de outubro de 1988...

... se lesões ou mortes são resultado de efeitos colaterais inevitáveis, mesmo que a vacina tenha sido adequadamente preparada e acompanhada de instruções e avisos adequados."

1988 foi, naturalmente, o ano em que o Programa Nacional de Compensação de Danos vacinais passou a oferecer compensação às vítimas de lesões vacinais, evitando assim dores de cabeça legais para a Grande Farmácia no processo.

Como aponta a bióloga do sistema Dr. Shiva Ayyadurai, a incapacidade de processar empresas farmacêuticas por vacinas, combinada com a queda nos lucros com a venda de medicamentos, fez das vacinas o novo modelo de negócios da Big Farma.

E agora a União Europeia e a OMS financiadas por Bill Gates concordam com isso.

(...) governo (...) nada mais é do que um comitê para gerenciar os assuntos comuns das elites mundiais.

https://www.strategic-culture.org/contributors/daniele-pozzati/

Fonte:https://religionlavozlibre.blogspot.com/2020/07/sorpresa-la-ue-previo-el-pasaporte.html?

 
 
 

Artigo Visto: 271 - Impresso: 1 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.292.719 - Visitas Únicas Hoje: 374 Usuários Online: 128