"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
14/09/2019
Radicais teólogos da libertação pressionam pela derrubada da Doutrina Católica no Sínodo da Amazônia
 

Radicais teólogos da libertação pressionam pela derrubada da Doutrina Católica no Sínodo da Amazônia

3 de setembro de 2019 - 18h20 EST

https://assets.lifesitenews.com/images/made/images/remote/https_www.lifesitenews.com/images/local/Shutterstock/Royalty-free/Non-Editorial/whif_of_scism_810_500_75_s_c1.jpg

3 de setembro de 2019 (LifeSiteNews.com) - Um grupo de padres e teólogos idosos associados à "teologia da libertação" latino-americana que estão envolvidos na preparação para o próximo "Sínodo Pan-Amazônico" do Papa Francisco produziu um documento argumentando pela derrubada da Doutrina Católica em várias áreas, a LifeSite soube.

O documento, intitulado “Rumo ao Sínodo Pan-Amazônico: Desafios e Contribuições da América Latina e do Caribe”, foi produzido em abril deste ano como resultado de uma reunião em Bogotá, Colômbia, por teólogos de duas organizações que promovem a teologia da libertação: "Ameríndia" e "REPAM". O documento de trabalho do sínodo refere-se explicitamente à reunião de Bogotá como parte do processo preparatório para o sínodo. Pode ser encontrado aqui em seu original espanhol.

O documento de Bogotá procura minar ou derrubar elementos fundamentais da Doutrina Católica, alegando que não existe uma religião verdadeira e que as religiões não-cristãs são capazes de trazer “salvação” às pessoas, enquanto glorificam as tradições religiosas pagãs dos povos indígenas no mundo Amazônico.

Além disso, redefine a Eucaristia como um ato simbólico da comunidade, ataca o sacerdócio hierárquico do Novo Testamento, enquanto pede às autoridades da Igreja que deixem aberta a possibilidade de ordenar as mulheres como sacerdotes, e pede “a superação de um patriarcal”, defende uma “teologia feminista e ecológica” para substituir as atuais. Também recomenda a ordenação de homens casados ao sacerdócio.

O documento termina com uma oração a Deus como "Pai e Mãe da vida", depois de ter se referido a Deus como "Criador-Criadora".

A LifeSite soube que dos 28 colaboradores do texto do documento de Bogotá, quatro exerceram papéis importantes no conselho pré-sinodal do Sínodo Pan-Amazônico, e dois deles são os principais autores do documento de trabalho do sínodo. Sua autoria do documento oferece uma indicação de suas intenções para o sínodo, cujo nome completo é "Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica". Será realizada em Roma, de 6 a 27 de outubro deste ano.

O documento de trabalho oficial do sínodo foi condenado por inúmeros prelados católicos, incluindo o cardeal Walter Brandmüller, que o chamou de "herético".

O texto completo do documento de Bogotá pode ser encontrado aqui.

'Não é justo'

De acordo com o documento de Bogotá, a Igreja Católica não deve declarar que apenas uma religião é verdadeira, porque "não é justo" fazê-lo, assim como "não é justo" dizer que uma espécie deve prevalecer sobre todas as outras - um aparente rejeição da Doutrina Católica da superioridade do homem sobre os animais ensinados na Bíblia e no catecismo da Igreja Católica.

O documento cita aprovadamente Leonardo Boff, um padre rebelde (agora laicizado) e teólogo da “libertação” que abandonou a ordem franciscana e entrou em uma união com uma mulher depois de ser censurado pelo Vaticano por ataques à Doutrina Católica. Boff é um forte defensor do Papa Francisco e o conhece desde os anos 1970.

Afirma o documento: “Não é justo pensar e dizer que apenas uma espécie deve prevalecer, mas pelo contrário; todas as espécies têm valor e, juntas, revelam as virtudes do mistério da vida. Da mesma forma, não é justo dizer que apenas uma religião é verdadeira e as outras são decadentes, pois todas elas revelam o mistério de Deus e revelam as muitas maneiras pelas quais andamos em fidelidade e amor a Deus ”(p. 86).

O documento também afirma que a Igreja Católica deve passar "do exclusivismo intolerante para uma atitude de respeito que aceite que o cristianismo não tenha um monopólio histórico da salvação" (p. 84), e que "o pluralismo e a diversidade de religiões são expressões de um sábia vontade divina ”(p. 53).

O Catecismo da Igreja Católica ensina que a Igreja Católica é a “ única Igreja de Deus” e “o Pai quis reunir toda a humanidade na Igreja de seu Filho”. Também reitera o dogma da fé que “fora a Igreja não existe salvação ”, significando que aqueles que conscientemente rejeitam a unidade com a Igreja e morrem fora dela sofrem condenação eterna. A mesma doutrina está contida em numerosos versículos do Novo Testamento cristão.

O documento de Bogotá contém várias outras declarações que promovem heresia ou dissidência contra a Doutrina Católica, incluindo o seguinte:

1. A Eucaristia e outros sacramentos são reduzidos a “símbolos” comunitários que expressam a “experiência das pessoas” e o “caminho da comunidade”

Afirma o documento: “Na liturgia, a Igreja expressa sua fé de maneira simbólica e comunitária. A constituição Sacrosanctum Concilium explica que a liturgia é o "cume" e a "fonte" da vida cristã. A liturgia é o 'cume', porque ao pé da mesa é apresentada a experiência das pessoas, o caminho da comunidade e o contexto sociocultural em que atua. 'Fonte', porque a partir da memória viva do amor de Cristo e do encontro com irmãs e irmãos, nasce o desejo e a capacidade de um discipulado mais coerente e um testemunho mais eficaz ”(p. 94).

A Igreja Católica ensina, no entanto, que a Eucaristia não é um mero símbolo da experiência humana, mas é a presença sacramental do corpo, sangue, alma e divindade de Jesus Cristo, e uma re-apresentação e participação em seu sacrifício na Cruz. Segundo o catecismo da Igreja Católica, “Na última ceia, na noite em que foi traído, nosso Salvador instituiu o sacrifício eucarístico de seu corpo e sangue. Isso ele fez para perpetuar o sacrifício da Cruz ao longo dos tempos até que ele viesse novamente. ”

A redução da doutrina católica à "experiência" pessoal é expressamente condenada pelo papa Pio X em sua condenação ao modernismo, Pascendi Dominici Gregis (1907), onde observa que tais doutrinas levam ao ateísmo: “Com essas teorias. . . o caminho está aberto para o ateísmo. Aqui é bom notar imediatamente que, dada essa doutrina da experiência unida à outra doutrina do simbolismo, toda religião, mesmo a do paganismo, deve ser considerada verdadeira. O que impede que essas experiências sejam encontradas em todas as religiões? ”

2. A Igreja rompeu com sua própria tradição quando reconheceu os anciãos como sacerdotes hierárquicos e como membros da Ordem de Melquisedeque

Afirma o documento: “Dentro da estrutura pós-concílio, a teologia questionou o modelo do sacerdócio do Antigo Testamento que foi introduzido na praxis eclesial e na teologia quando as instituições culturais do judaísmo foram transpostas para a comunidade eclesial para mostrar a continuidade entre o Antigo e o Novo Testamento. Gnosticismo desafiou. Como conseqüência do estabelecimento da instituição do sacerdócio, os líderes se tornaram oficiais do culto e seu ofício - um ofício sacerdotal de mediação cultural - foi interpretado como um posto, que os designou como sacerdotes, levitas, filhos de Arão e até relacionando-os com Melquisedeque, que não corresponde à experiência das primeiras comunidades que romperam com as formas de mediação religiosa do Antigo Testamento ”(p. 112).

A Igreja Católica ensina, no entanto, que o próprio Cristo instituiu o sacerdócio ministerial como uma participação em seu próprio sacerdócio: “'O ministério eclesiástico divinamente instituído é exercido em diferentes graus por aqueles que, desde os tempos antigos, eram chamados de bispos, sacerdotes e diáconos A doutrina católica, expressa na liturgia, no Magistério e na prática constante da Igreja, reconhece que há dois graus de participação ministerial no sacerdócio de Cristo: o episcopado e o presbiterado. O diaconado tem como objetivo ajudar e servi-los. ”

3. Esse desvio da doutrina original foi a base para excluir as mulheres do sacerdócio

Afirma o documento: “O que serviu de argumento para responder a uma circunstância específica se tornou doutrina com a elaboração da teologia do sacramento da ordem como sacramento do sacerdócio, intima e intimamente relacionada ao sacrifício eucarístico. Assim, a perspectiva cultural do sacerdócio foi consagrada na liturgia e na espiritualidade sacerdotal, bem como nos símbolos que conferem um caráter de dignidade e honra aos homens da Igreja. Nesse processo, as mulheres foram excluídas. . . ”(P. 113).

4. O dogma católico sobre o sacerdócio exclusivamente masculino é uma "posição" modificável na qual os teólogos devem ser capazes de "refletir" para discernir os "sinais dos tempos"

Afirma o documento: “Estamos plenamente conscientes da posição da Igreja Católica sobre esse assunto. Recomendamos, no entanto, que os teólogos, respeitando de maneira reverente os dados da fé e em profunda comunhão com o Magistério, possam continuar com total liberdade a reflexão sobre a ordenação sacerdotal das mulheres, enriquecendo sua análise com recursos provenientes de psicologia, sociologia, antropologia, história, filosofia e hermenêutica, para poder discernir a presença do Espírito naquele sinal dos tempos que, segundo João XXIII, é a presença de mulheres na vida pública ”(p. 105).

A prática e doutrina perenes da Igreja Católica, no entanto, é que as mulheres não podem ser validamente ordenadas ao sacerdócio. O Papa João Paulo II, em sua carta apostólica Ordinatio Sacerdotalis, publicada em 1994, escreveu: “Portanto, para que todas as dúvidas sejam removidas em relação a uma questão de grande importância, uma questão que pertence à própria constituição divina da Igreja, em virtude de meu  ministério de confirmar os irmãos (cf. Lc 22, 32). Declaro que a Igreja não tem autoridade alguma para conferir ordenação sacerdotal às mulheres e que esse julgamento deve ser mantido definitivamente por todos os fiéis da Igreja. ”

5. As mulheres da Igreja primitiva eram “diáconos” que exerciam “funções de liderança”, mas não havia hierarquia ou sacerdócio

Afirma o documento: “Os textos do Novo Testamento não registram atividades culturais, mas as comunidades de crentes se reuniram em casas, o que mostra que as mulheres podiam transmitir a palavra e exercer funções de liderança. Por outro lado, nessas comunidades não havia organização hierárquica ou figuras sacerdotais: seus líderes não recebiam o título de sacerdotes e a diversidade de ministérios, cuja denominação vem da linguagem secular, foi polarizada na tríade episcopos, presbíteros, diáconos do sexo masculino e diáconos do sexo feminino ”(p. 116).

6. “Uma Igreja encarnada na Amazônia” significa abertura para ordenar mulheres ao “diaconato”, bem como ordenar homens casados e abraçar “teologia feminista e ecológica”

Essa igreja inclui “Assegurar a celebração da Eucaristia dominical nas comunidades eclesiais pela ordenação de padres casados. . . . Acolhendo e apoiando. . . teologia feminista e ecológica como suporte para a configuração de uma Igreja com rosto próprio. . . . Discernir a oportunidade de ordenar as mulheres para o diaconato, bem como a criação de outros ministérios próprios, de acordo com as necessidades da Igreja local ”(p. 81).

7. As religiões indígenas pagãs são afirmadas, nunca criticadas

De maneira semelhante ao documento de trabalho do sínodo, o documento de Bogotá afirma as tradições religiosas pagãs dos indígenas, sem nunca mencionar crenças errôneas ou práticas destrutivas entre eles. O documento inteiro contém apenas duas breves e rápidas menções ao “pecado”, uma em uma antiga oração citada pelo documento. O documento pede "entender e reconhecer mais uma vez as virtudes, conhecimentos e cosmovisões existentes entre os grupos étnicos ancestrais, que ainda mantêm a capacidade de ler e conceber a natureza como a verdadeira mãe" (p. 34).

8. Deus é referido como "Criador-Criadora" masculino-feminino

Afirma o documento: “Eles têm suas histórias, línguas, conhecimentos, tradições, espiritualidades e teologias sagradas. Todos eles procuram construir uma 'boa vida' e a comunhão das pessoas entre si, com o mundo, com os seres vivos e com o Criador-Criadora. Eles sentem que estão vivendo bem na 'casa' que o Criador-Criadora lhes deu na Terra ”, afirma o documento (p. 54).

O documento termina com uma oração ao “Pai e Mãe da vida” (p. 129).

Importância do documento de Bogotá

Em abril de 2019, 28 teólogos se reuniram em Bogotá, Colômbia, para discutir o próximo Sínodo Amazônico de 6 a 27 de outubro. Os organizadores deste evento foram duas organizações: Amerindia e Repam (Rede Eclesial Pan-Amazônica). O resultado desta conferência encontra-se no livreto “Rumo ao Sínodo Pan-Amazônico”.

É importante ressaltar que é o próprio documento de trabalho do Vaticano para o próximo Sínodo que remete a este evento em Bogotá como uma das reuniões preparatórias para o Sínodo. O documento de trabalho declara primeiro que “este documento de trabalho é fruto de um longo processo que inclui a redação do documento preparatório para o Sínodo em junho de 2018; e uma extensa pesquisa das comunidades amazônicas ”e acrescenta na nota de rodapé 1:“ Além desse processo oficial, foram realizados inúmeros seminários em Washington DC, Roma e Bogotá, com especialistas em diferentes áreas e representantes dos povos amazônicos, para refletir sobre as questões analisadas aqui. "

Quatro pessoas envolvidas no trabalho do conselho pré-sinodal (como membros ou como conselheiros) convocadas pelo Papa Francisco em março de 2018 estiveram presentes no encontro de Bogotá: Padre Paolo Suess (um colaborador próximo do Bispo Erwin Kräutler que é membro do conselho pré-sinodal) - Suess participa como consultor (peritus) no conselho pré-sinodal - Mauricio López (secretário executivo da REPAM e membro do conselho), padre e conselheiro indígena, padre Justino Sarmento Rezende e, finalmente, pe. Peter Hughes (também consultor). Essas quatro pessoas foram, segundo uma fonte espanhola, os principais autores do documento preparatório do Sínodo Amazônico para 2018. Acredita-se que Paolo Suess tenha tido a mão principal no documento de trabalho de 2019 do sínodo.

Organizações dedicadas a promover a 'teologia da libertação'

Amerindia é uma organização de teólogos ideologicamente progressivistas que desde 1978 aconselham prelados da América do Sul, especialmente à luz de seus vários encontros episcopais (incluindo Medellín e Aparecida). Este grupo destaca Leonardo Boff como um dos seus blogueiros. Boff é um dos mais importantes defensores da Teologia da Libertação, pelo qual ele foi censurado pelo Vaticano em meados dos anos oitenta. Posteriormente, ele deixou o sacerdócio e se casou. Ele postou, em julho de 2019, um artigo em seu blog Amerindia, no qual defende sacerdotes.

Em seu site, a Amerindia diz que sua missão é "reafirmar a opção por novos modelos de igreja comunitária e participativa e pela teologia da libertação como uma ajuda à igreja universal". Ela afirma representar "uma nova maneira de ser e de agir, que passa pela auto-compreensão e transformação baseadas na solidariedade com o clamor dos excluídos e da Mãe Terra. ”A organização afirma que“ teve uma participação significativa na Conferência de Aparecida ”em 2007, uma conferência na qual a redação final O documento foi liderado pelo arcebispo Jorge Bergoglio, que hoje é o Papa Francisco.

A REPAM, uma coalizão de organizações comprometidas com a agenda "ecológica" do Papa Francisco, foi fundada em 2014, aparentemente a pedido do próprio Papa Francisco. Um de seus membros, a coalizão das agências católicas de ajuda internacional Caritas Internationalis, diz da organização que “é um projeto das nove Igrejas da região amazônica, inspirado pelo Papa Francisco e apoiado pela Conferência Episcopal da América Latina, CELAM. A Caritas Internationalis é membro fundador da REPAM, e os escritórios nacionais da Caritas nos países da Amazônia, Europa e América do Norte também participam. ”

Notavelmente, a descrição da REPAM pela Caritas não inclui a conversão dos povos amplamente pagãos e protestantes da Amazônia à fé católica; em vez disso, lista objetivos como “Permitir que líderes indígenas sejam ouvidos no cenário mundial”, “Criação de uma escola para Promoção de Direitos ”,“ Apoio a casos de defesa de direitos humanos ”,“ Diálogo entre a Igreja e as comunidades de povos indígenas ”e“ Proteção para as 137 'tribos sem contato' da Amazônia ”.

Além da Amerindia e REPAM, o documento é patrocinado por cinco organizações católicas de desenvolvimento internacional, CAFOD (BRITAIN), CCFD (França), DKA (Áustria) e MISEREOR (Alemanha). Também é patrocinado pela organização protestante alemã EMW (“Evangelisches Missionswerk in Deutschland” - Obra Evangélica na Alemanha). O LifeSite informou pela primeira vez sobre o envolvimento das agências de ajuda alemãs com o sínodo em julho.

A Amerindia não dirá quem contribuiu com o documento de Bogotá

A LifeSiteNews procurou a Amerindia, solicitando um programa para a reunião de abril de 2019 em Bogotá. O Dr. Óscar Elizalde Prada, sua diretora de comunicação (e também participante do evento), respondeu, dizendo que “o encontro em si não ocorreu por meio de conferências ou painéis, mas por intensas sessões de trabalho, destinadas a construir uma reflexão conjunta de um Perspectiva teológico-pastoral da América Latina e do Caribe, sempre à luz do Magistério da Igreja e, mais especificamente, do pontificado do Papa Francisco. Por esse motivo, não nos limitamos a um programa ou agenda como tal. ”

A Prada se recusou ainda a fornecer informações ao LifeSite sobre quem escreveu qual dos capítulos do documento de Bogotá, explicando que “da mesma forma, como é apropriado ao espírito comunitário e colaborativo de nosso trabalho na América Latina, não é possível atribuir a autoria do conteúdo de cada capítulo do subsídio que publicamos para um ou mais autores específicos. Nisto seguimos a inspiração dos povos indígenas, mais preocupados com o cuidado da casa comum do que com seus próprios protagonismos, optando também por fazer uma jornada sinodal, dialogando e ouvindo os gritos que brotam da Igreja na Amazônia e o 'gemido da irmã Terra', como o Santo Padre refere em Laudato Si (LS 53). ”

Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/radical-liberation-theologians-push-for-overthrow-of-catholic-doctrine-at-amazon-synod

 
 
 

Artigo Visto: 330 - Impresso: 5 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.719.234 - Visitas Únicas Hoje: 285 Usuários Online: 85