"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
06/11/2018
O PAPA IMPÕE "O DOMICILIARE" AO BISPO ATHANASIUS SCHNEIDER. NADA ESCRITO, DESTA FORMA IMPOSSIBILITA A APELAÇÃO...
 

O PAPA IMPÕE "O DOMICILIARE" AO BISPO ATHANASIUS SCHNEIDER. NADA ESCRITO, DESTA FORMA IMPOSSIBILITA A APELAÇÃO...

06 de Novembro de 2018 publicado por wp_7512482

https://i0.wp.com/www.marcotosatti.com/wp-content/uploads/2018/11/Schneider.jpg?resize=700%2C771

Por Marco Tosatti

O Bispo auxiliar de Astana, e anteriormente Bispo de Karaganda, Athanasius Schneider, recebeu uma liminar verbal do Vaticano pedindo-lhe para reduzir a frequência de suas viagens ao exterior.

Esta medida foi tomada na primavera passada; o Bispo tomou conhecimento desta medida extraordinária que restringe sua liberdade de Núncio do Cazaquistão, Francisco Assis Chullikatt, em abril.

Mas - outro elemento singular nesta história - é que Mons. Schneider recebeu esta disposição, dada diretamente pelo secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, apenas verbalmente. O Núncio não lhe deu nada escrito, nenhum documento pelo qual o bispo poderia tomar alguma ação legal, possivelmente, na Congregação para os Bispos, ou pelo Tribunal da Signatura Apostólica, que, até o advento do Papa Bergoglio era a instância pela qual padres, leigos e bispos poderiam recorrer às decisões da autoridade que consideravam injusta.

Nenhuma motivação foi dada a Mons. Schneider, como relatado por pessoas próximas a ele, a quem contatamos, para explicar esse pedido extraordinário. Toda vez que ele planejar uma viagem ao exterior, ele deve informar o Núncio. Não sabemos se entre os poderes do embaixador papal há também que, possivelmente, de negar-lhe a autorização para a expatriação.

Dom Athanasius Schneider, como sabem os leitores Stilum Curiae, é uma das vozes mais livres e francas em denunciar- de forma respeitosa e filial, mas firmes - desvios e confusão presentes na Igreja hoje. Impossível não detectar a diferença de tratamento entre ele e o cardeal Theodore McCarrick, que, atingido pelas sanções de Bento XVI (incluindo a proibição de viagem) foi enviado pelo Papa para a China, Filipinas, Armênia e agiu como elo de ligação com Cuba para preparar a visita do Papa. Ou mesmo ao Cardeal Maradiaga, grande Conselheiro Papal, que abandonou - por causa de suas freqüentes viagens – a diocese de Tegucigalpa nas mãos de seu auxiliar, Dom Pineda, seu braço direito obrigado a renunciar a partir da carta aberta de dezenas de seminaristas que o acusaram de comportamento impróprio, e cujas recentes façanhas descrevem Religion Confidencial.

Por outro lado, não é de admirar que estes atos sejam um sinal de um desconforto cada vez mais acentuado para as vozes livres num regime em que se fala de diálogo, mas onde a crítica é temida. E onde, no entanto, se prefere meios silenciosos e escondidos para limitar a liberdade de expressão. Como o "Conselho" dado aos Bispos americanos-sempre em palavras, e sempre por um Núncio - para não convidar paras as dioceses pessoas como o cardeal Burke, e, se não for possível evitar a sua presença, não ir ao evento....

Fonte: http://www.marcotosatti.com/2018/11/06/il-papa-impone-i-domiciliari-al-vescovo-athanasius-schneider-niente-di-scritto-cosi-non-e-possibile-il-ricorso/

 
 
 

Artigo Visto: 353 - Impresso: 2 - Enviado: 2

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.278.915 - Visitas Únicas Hoje: 606 Usuários Online: 145