"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
06/07/2018
O cardeal Tauran, líder do diálogo católico-muçulmano, morre aos 75 anos
 

O cardeal Tauran, líder do diálogo católico-muçulmano, morre aos 75 anos

6 de julho de 2018

O veterano diplomata vaticano morreu quinta-feira em Connecticut depois de uma longa batalha contra a doença de Parkinson.

https://www.acidigital.com/imagespp/pptauran210313.jpg

Cardeal Jean Louis Tauran fazendo o anúncio do "Habemus Papam!"

por Elise Harris / CNA / EWTN Notícias

CIDADE DO VATICANO - Após uma longa batalha contra a doença de Parkinson, o cardeal Jean-Louis Tauran, experiente diplomata vaticano que anunciou a eleição do Papa Francisco para o mundo em 2013, morreu na quinta-feira em um hospital dos Estados Unidos.

Segundo o jornal italiano Vaticano Insider, o cardeal Tauran, que até sua morte em 5 de julho serviu como presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, viajou para Connecticut para tratamento, ficando com as Irmãs Franciscanas da Eucaristia na Arquidiocese de Hartford.

Apesar de um declínio progressivo em sua saúde, o cardeal Tauran fez uma longa e histórica visita à Arábia Saudita em abril para promover o relacionamento da Santa Sé com as autoridades sauditas e reforçar o diálogo entre cristãos e muçulmanos.

Nascido em Bordeaux, na França, em 1943, Tauran completou 75 anos em abril e tem um longo histórico de serviço diplomático no Vaticano.

Ordenado sacerdote em setembro de 1969, o falecido cardeal possuía licenciatura em filosofia e teologia, e também se formara em direito canônico.

Depois de servir como vigário paroquial por um período após sua ordenação, em 1975, ele entrou para o serviço diplomático da Santa Sé quando foi nomeado embaixador do Vaticano na República Dominicana.

Ele foi então enviado como enviado papal para o Líbano e mais tarde representou a Santa Sé na Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, participando de várias conferências em todo o continente.

Em 1988, ele foi nomeado subsecretário do então Conselho para os Assuntos Públicos da Igreja, agora conhecido como a Seção de Relações com os Estados na Secretaria de Estado do Vaticano. E em 1991 o Papa João Paulo II nomeou-o secretário do dicastério e fez dele um arcebispo.

Nesse papel, que equivale a um ministro das Relações Exteriores, ele liderou delegações da Santa Sé em numerosas conferências internacionais.

O cardeal foi nomeado arquivista e bibliotecário do Vaticano em 2003 e, em outubro daquele ano, recebeu um chapéu vermelho do papa João Paulo II.

Em 2007, ele foi nomeado pelo Papa Bento XVI como presidente do conselho para o diálogo inter-religioso.

Bento XVI, em 2011, nomeou-o "cardeal protodeacon", um papel geralmente dado a um prelado sênior que é então encarregado de anunciar o nome de um novo papa depois de sua eleição. O Cardeal Tauran ocupou essa posição quando Francisco foi eleito em março de 2013, ou seja, foi sua voz que levou as palavras habemus papam às centenas de milhares de peregrinos e locais que aguardavam o anúncio na Praça de São Pedro.

Após a sua eleição, o Papa Francisco estabeleceu a Pontifícia Comissão de Eleições para o Instituto de Obras Religiosas, também chamado de “Banco do Vaticano”, para estudar maneiras de reformar o instituto, e nomeou o cardeal Tauran como membro.

Em dezembro de 2014, Francisco nomeou o cardeal Tauran como camerlengo da Santa Igreja Romana, o que significa que ele era o prelado encarregado de manter o Vaticano em funcionamento após a morte de um papa.

Vários diplomatas, padres e colegas prelados reagiram à morte do cardeal, levando-os à mídia social para elogiá-lo não apenas por sua gentileza e humor, mas por seu serviço de longa data à Igreja.

Em um tweet de 6 de julho, a embaixadora britânica na Santa Sé, Sally Axworthy, disse estar triste ao ouvir sobre sua morte e disse que mostrou à embaixada "grande apoio" em um evento organizado em janeiro.

“Ele era tanto um gigante intelectual quanto um homem de grande calor e humor, que trabalhava incansavelmente para construir relações com o mundo muçulmano. Sentiremos muita falta dele ”, disse ela.

Eduard Habsburg, embaixador húngaro na Santa Sé, também demonstrou sua simpatia por retweetar um “RIP” ao cardeal Tauran, dizendo que ele era “um grande homem da Igreja”.

O cardeal Gianfranco Ravasi, chefe do Conselho da Cultura do Vaticano, também twittou um “RIP” acompanhado por uma das citações do falecido cardeal: “O que está nos ameaçando não é o choque de civilizações, mas sim o choque de ignorância e radicalismo. Conhecer-se é se reconhecer.

Padre Manuel Dorantes, um sacerdote de Chicago e conselheiro estratégico do dicastério vaticano para as comunicações, twittou uma oração ao prelado, pedindo: “Que o Senhor abrace carinhosamente esse homem bondoso e gentil que serviu a Igreja tão fielmente”.

Fonte: http://www.ncregister.com/daily-news/cardinal-tauran-leader-in-catholic-muslim-dialogue-dies-at-75

 
 
 

Artigo Visto: 234 - Impresso: 2 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.143.581 - Visitas Únicas Hoje: 299 Usuários Online: 123