"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
28/04/2020
História de Elise. "Capturada" pela Eucaristia
 

História de Elise. "Capturada" pela Eucaristia

28-04-2020

Eu gosto das histórias dos convertidos e, quando encontro uma, fico feliz em compartilhá-la. É o caso da história de Elise, uma jovem americana de origem suíça. Uma história que li no Catholic Herald e está centrada na descoberta da Eucaristia.

https://catholicherald.co.uk/wp-content/uploads/2020/04/Elise_confirmation_2.jpg

Postado no Blog de Aldo Maria Valli

A jornada de Elise Amez-Droz para a Igreja Católica começou em um local conhecido pelo fervor religioso, mas não exatamente pela fé católica: Salt Lake City, Utah, cidade fundada pelos mórmons.

Foi lá que Elise, de 24 anos, conheceu uma amiga que estava se convertendo ao catolicismo, o que a surpreendeu bastante. Nascida na Suíça, em uma família evangélica, a jovem conhecia apenas católicos pelo nome, não muito devotada. E agora, aqui está um deles em carne e osso, que não tinha vergonha de dizer que amava a Jesus. Então, Elise pensou, o catolicismo não é uma fé morta. A partir daí, um caminho de conversão, cujas premissas, no entanto, remontam à infância da menina.

“Já na escola primária - diz Elise - comecei a me perguntar qual era o propósito da vida. Foi um período difícil. A vida parece sem sentido para mim. Quando eu cresci e me mudei para os EUA, em Salt Lake City, fui a uma missa com essa amiga, e a primeira reação foi: bem, não é tão herético quanto eu pensava! ".

Sua amiga estava cheia de perguntas: por que ela estava prestes a entrar na Igreja Católica? O que a empurrou profundamente no coração?

Depois de se mudar para Washington, Elise fez amizade com outros católicos e percebeu que todos eram grandes pessoas, que praticavam a virtude de maneira completamente altruísta, sem fins lucrativos.

Para dizer a verdade, ela inicialmente achou suas virtudes "irritantes", mas não podia negar que essas pessoas eram inteligentes. Então, ela decidiu saber mais sobre a Igreja e a fé católica.

Entrando no Rito de Iniciação Cristã de Adultos ou Ordo Initiationis Christianae Adultorum (um caminho projetado para potenciais convertidos adultos), ela decidiu aprofundá-lo na paróquia de São Pedro em Washington, porque ficou intrigada com os frades dominicanos.

Toda terça-feira à noite, ela conhecia pessoas que já haviam feito a jornada de conversão e outras que estavam fazendo isso. Mas o momento decisivo ocorreu pouco antes da vigília da Páscoa de 2018. "Nesse ponto - ela diz - ficou mais claro para mim que eu nunca poderia voltar à fé protestante". Dois livros marcaram: As confissões de Santo Agostinho e a opção de Bento por Rod Dreher.

"Achei a opção de Bento muito interessante", diz Elise. "Acho que isso me levou à tradição." E depois houve a leitura do livro Teologia do corpo para iniciantes. Com João Paulo II para redescobrir o significado de sexualidade e casamento, de Christopher West, um livro decisivo, porque pela primeira vez Elise verificou que era possível responder a perguntas fundamentais: “Descobri que a teologia fazia sentido e vem de um papa. ! O que me fez pensar. "

Um dos maiores obstáculos foi aceitar a autoridade da Igreja, algo profundamente oposto à mentalidade protestante, mas uma vez que superamos a rocha, a navegação ficou relativamente tranquila.

Para confirmação, Elise escolheu Teresa de Lisieux como padroeira, depois de aprender sobre sua história durante um retiro. "Gostei - ela lembra - da idéia de ser grande, apesar de pequena, e achei interessante que Teresa tenha morrido aos 24 anos, minha idade quando entrei na Igreja Católica".

Um fator de importância fundamental, no caminho para a Igreja Católica, foi a descoberta da Eucaristia, que lhe permitiu, segundo ela, permanecer fiel à Igreja, mesmo quando tomou conhecimento dos escândalos de abuso. "Eu poderia ter ido, mas em nenhum outro lugar encontraria a Eucaristia, e assim fiquei."

"Não espero que a Igreja seja perfeita", diz Elise, que ficou impressionada com o fato de seus amigos católicos nunca negarem escândalos e sempre falarem abertamente sobre eles.

Elise Amez-Droz conseguiu abordar a Comunhão pela primeira vez há um ano, em 21 de abril de 2019, durante a vigília da Páscoa.

“No dia anterior - ela diz - eu vi o filme A Paixão de Cristo e senti que não era absolutamente digno de receber comunhão. Durante a vigília, fiquei muito feliz e empolgada, impressionada com o pensamento de poder compartilhar a pessoa de Deus de maneira tão concreta, mesmo que eu fosse totalmente indigna disso ".

Agora Elise sustenta que a Eucaristia é o que a torna verdadeiramente próxima de Deus.Uma história dela que pode nos fazer bem, especialmente neste período de jejum eucarístico forçado.

A.M.V.

_________

Fonte: Catholic Herald - Via: https://www.aldomariavalli.it/2020/04/28/storia-di-elise-catturata-dalleucaristia/

 
 
 

Artigo Visto: 667 - Impresso: 1 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.338.011 - Visitas Únicas Hoje: 1.476 Usuários Online: 221