"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
05/10/2014
“Não é Francisco”: o livro de Socci sobre o Papa agita o Vaticano.
 

“Não é Francisco”: o livro de Socci sobre o Papa agita o Vaticano.

04/10/2014

http://fratresinunum.files.wordpress.com/2014/10/nonina_560x280.jpg?w=456&h=231

Por Libero Quotidiano | Tradução: Gercione Lima – Fratres in Unum.com:

“A Joseph Ratzinger, um gigante da esperança”. É com essa declaração de fé e de pertença que se inicia o livro “Não é Francisco” do intelectual católico e colaborador do jornal Libero, Antonio Socci, publicado pela editora Mondadori e disponível nas librarias a partir do dia 03 de outubro. Dedicado também aos cristãos perseguidos no Iraque, o livro já levantou polêmica antes mesmo de ter chegado às livrarias. Nada que Socci não quisesse.

O objetivo, escreve ele, é levantar questões sobre pontos “tão desestabilizadores e ‘proibidos’ pelo mainstream que todos evitam dizer em público”. Não são palavras exageradas.

Quais são, na verdade- pergunta Socci-, os motivos até agora desconhecidos da renúncia histórica de Bento XVI ao papado? Alguém o forçou a se afastar? Mas, acima de tudo, foi uma renúncia verdadeira? Por que não voltou então a ser apenas um cardeal, mas permaneceu como ‘Papa Emérito'”? Socci também aborda outra questão perturbadora: se, durante o Conclave que elegeu Bergoglio foram violados – como parece – as normas da Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis.  A jornalista argentina Elisabetta Piqué, de fato, revelou que Bergoglio foi eleito na quinta votação do dia 13 de março (a sexta no total), com uma série de procedimentos que teriam violado as disposições da Constituição Apostólica, que tornavam assim “nula e sem efeito a própria eleição”. Questões graves que merecem explicações aprofundadas. Aqui, os leitores do Libero encontrarão trechos grátis tomados a partir da premissa do livro, onde Socci relata sua decepção por um papa, Francisco, que ele também tinha acolhido “com os braços abertos, como era a coisa certa a ser feita, considerando que o Papa foi legitimamente eleito.”

  Eu admito ter sido um dos muitos que acolheram Bergoglio –  no 13 de março de 2013 – com os braços escancarados, como era a coisa certa a ser feita, considerando que o Papa foi legitimamente eleito. E também por causa de uma série de amigos comuns (que me são muito caros), que me levaram a alimentar esperanças benevolentes pelo novo Pontífice. Cheguei a lhes comunicar com muita convicção que, entre outras coisas, ele poderia contar com as minhas orações e da minha família, e com a oferta de nossas cruzes cotidianas para o cumprimento da sua elevada missão.

    Me agradava o seu estilo desapegado. Os jornais o apresentavam como o bispo que rodava por Buenos  Aires em transporte público, que morava em um apartamento modesto ao invés do palácio episcopal, que frequentava pobres bairros de periferia como um bom pai ansioso em levar aos mais desafortunados a carícia do Nazareno.

    Tudo isso poderia ser uma tremenda lufada de ar fresco para o Vaticano e para toda a Igreja.

    Apoiei Papa Francisco no que pude durante meses, como jornalista, na imprensa. Ele me parecia um apóstolo do confessionário, devoto de Nossa Senhora. Eu o defendi das críticas prematuras de alguns tradicionalistas e até hoje ainda continuo a achar absurdas certas polêmicas daqueles que tomam como pretexto as declarações do Papa Francisco para, na realidade, atacar o Concílio Vaticano II, Joseph Ratzinger e João Paulo II, ( …) que nenhuma responsabilidade têm pelas escolhas de Bergoglio.

    A partir deste ponto de vista, me considero bem satisfeito por estar entre aqueles que Roberto De Mattei considera “os mais ferozes defensores do Concílio Vaticano II.”

    Assim como o Papa Bento XVI (como João Paulo II e Paulo VI), estou convencido de que o Concílio foi um evento muito valioso. Mas sim o verdadeiro Concílio, aquele que está nos documentos e faz parte do Magistério da Igreja. Outra coisa (oposta) é o Concílio “virtual”, construído pelos meios de comunicação, ou aquele, por exemplo, que é teorizado por historiadores progressistas. (…)

    Sustentar hoje que as declarações de Bergoglio a Scalfari (por exemplo), no final das contas, estão em continuidade com o Papa Bento XVI, João Paulo II e Paulo VI, ou seja, que Bergoglio “encarna a essência do Concílio Vaticano II” (De Mattei ), é um absurdo. (…).

    Infelizmente, hoje eu sou um dos muitos desiludidos (um sentimento que está se espalhando cada vez mais entre os católicos, embora não publicado nos jornais). (…).

    Vários cardeais haviam votado em Bergoglio com a esperança de que ele iria continuar o trabalho de renovação e purificação realizada pelo Papa Bento XVI, esperava-se que ele irrompesse na Cúria do Vaticano e (metaforicamente) a demolisse quase como pelo fogo de João Batista. Em vez disso, temos que admitir que, infelizmente, pouco ou nada foi feito (apenas algumas remoções e, em alguns casos, até mesmo injustas).

    Não há problema que tenha escolhido viver na residência de ‘Santa Marta’, isso também poderia ser um sinal positivo, apesar de estar muito longe de ser apenas uma pobre cela monástica . Em um dos meus livros, eu havia chegado a sonhar com um Papa que iria viver numa paróquia do município. De qualquer modo, eu apreciei a mensagem.

    Mas, depois tem o problema que é o governo dessa coisa complexa que é o Vaticano e, por exemplo, o IOR, que alguém propôs que fosse fechado, já que não está bem clara a sua utilidade para a Igreja, mas que Bergoglio até agora não fechou. Muito pelo contrário! Segundo os observadores mais informados, Bergoglio multiplicou departamentos, burocracias e despesas. (…)

    Esperávamos uma onda de rigor moral contra a “sujeira” (também no âmbito eclesiástico) denunciada e combatida pelo grande Joseph Ratzinger. Mas como deveríamos interpretar o sinal dado ao mundo de frouxidão e rendição aos novos costumes sexuais da sociedade e da quebra de princípios morais e das famílias?

    Como interpretar a recusa do Papa Bergoglio de se opor às questões éticas, como fizeram seus antecessores heroicamente, ou também apenas “julgar”, ou seja combater a revolução cultural dos relacionamentos afetivos que destroem qualquer relacionamento sério e deixa tantos cada vez mais solitários, infelizes e escravos dos instintos?

São Paulo disse: “O homem espiritual julga todas as coisas” (1 Co 2:15), e não “quem sou eu para julgar?”.

    E por que não se opor à cultura da morte que não reconhece nada de sagrado no ser humano ou à onda de anti-cristianismo e anti-humanismo que, sob diferentes bandeiras, agora permeiam o mundo? (…).

    Era para ter confrontado aqueles que na Igreja jogam às urtigas a reta doutrina Católica e que, das cátedras mais poderosas, demolem o coração da fé. Ao  invés, o que se viu foi cacetadas nos bons católicos, aqueles mais ortodoxos que vivem verdadeiramente na pobreza, castidade, oração e caridade.

    De fato, o Papa Bergoglio só ataca aqueles que usam “uma linguagem completamente ortodoxa” porque essa não corresponde ao Evangelho (Gaudium Evangelii n. 41). Algo jamais visto ou ouvido falar em toda a  história da Igreja.

    Isso para não dizer quando o próprio Bergoglio se aventura em suas desconcertantes afirmações, do tipo “se alguém não peca então ainda não é um homem”, uma tese surpreendente em que nem se dá por conta de estar negando a humanidade de Jesus e Maria, que foram isentos do pecado, e por causa disso são os modelos do ideal supremo para o homem e a mulher.

Ou quando ele erroneamente atribuiu a São Paulo a frase :

“Eu me glorio dos meus pecados” (Homilia em Santa Marta, 04 de setembro de 2014), algo enorme sobre o qual o site do Vaticano www.news.va chegou mesmo a elaborar um título: “Por que vangloriar-se dos pecados”. Evidentemente, que tanto no  Vaticano, como em Santa Marta, em particular, se desconhece o que São Tomás de Aquino diz: “É pecado mortal quando alguém se vangloria de coisas que ofendem a glória de Deus”.

    Esperava-se que ele socorresse as vítimas mais indefesas e desarmadas nas periferias mais remotas do mundo, ao invés, eu me recordo -com dor- que o Papa Bergoglio obstinadamente evitou levantar a voz, no verão de 2014, em prol dos cristãos massacrados pelo Califado Islâmico no Norte do Iraque, limitando-se apenas a fazer algumas declarações, sem jamais proferir um discurso vibrante (como aqueles que ele fez quando se tratava de temas politicamente corretos [nota do Fratres: como em Lampedusa]) ou um vigoroso apelo à comunidade internacional para que interviesse e desarmasse os carnífices e protegesse os indefesos massacrados.

    Jamais esse Papa se voltou contra o mundo islâmico que, geralmente, humilha toda minoria, nunca uma reação contra o terrorismo islâmico, jamais pediu explicitamente uma “intervenção humanitária” (concebida especialmente por João Paulo II) que desarmasse, mesmo pela força, os carnífices e impedisse os massacres como lhe imploravam os bispos do Iraque.

    E quantos patriarcas gritaram alto para que suas próprias comunidades fossem defendidas pela força do massacre iminente e fizeram uma crítica explícita à relutância do Papa pedindo-lhe para “usar sua influência de forma mais ousada na defesa dos cristãos iraquianos”.

    Mas Bergoglio foi cauteloso e reticente, fazendo de tudo para não se expor. Será que estamos realmente seguros que, de frente à tragédia dos cristãos (e outras minorias) no Iraque ele não poderia assumir um comportamento mais decisivos como de seus antecessores ou como ele faz quando se trata de outras questões? (…).

    Não vi sequer uma obra de verdadeira sensibilização de toda a Igreja, que mobilizasse todos à oração, que prescrevesse vigílias, novenas, jejum (estas são as armas dos cristãos) e um grande auxílio humanitário. Que contra-indicações poderiam haver para isso? Não existem, realmente.

    Era necessário que se desse conforto e ajuda concreta a tantos cristãos perseguidos, humilhados, presos, mortos, massacrados, mas o papa Bergoglio, ao invés, continuou a confiar num diálogo sem condições e sem precauções, expondo-se a incidentes dolorosos como aquele de 8 de Junho de 2014, quando convidou para rezar no Vaticano, entre outros, um imã,  que ali, no solo banhado pelo sangue de tantos mártires cristãos, ignorando os discursos previamente acertados, invocou Alah para que ajude os muçulmanos a esmagar os infiéis (“dá-nos a vitória sobre os incrédulos”). (…).

    Era necessário que se dissesse pelo menos uma palavra de conforto em defesa das jovens mães – como Meriam ou Asia Bibi – condenadas à morte em regimes islâmicos por sua fé cristã, ou, pelo menos se podia pedir que se orasse [publicamente] por elas, algo que o Papa Francisco nunca fez. Ele nem sequer respondeu ao apelo que lhe foi enviado por Asia Bibi, enquanto escreveu pessoalmente uma longa mensagem de saudação aos muçulmanos que jejuavam pelo Ramadã desejando-lhes que esse possa trazê-los “abundantes frutos espirituais”. (…).

    Depois viemos a descobrir que na época em que Bento XVI pronunciou o famoso discurso de Regensburg (aquele que entrou para a história por ter irritado os muçulmanos), o porta-voz do então Cardeal Bergoglio, Arcebispo de Buenos Aires, criticou publicamente o papa Ratzinger. Newsweek publicou suas palavras, sob o título: “A Arquidiocese de Buenos Aires contra Bento XVI.”

    O tal porta-voz depois de algum tempo foi dispensado de suas funções, mas muitos se perguntam se e quando houve um repúdio público do que foi dito pelo bispo Bergoglio e seu apoio aberto ao discurso de Ratzinger em Regensburg. (…).

    À luz desses fatos, explica-se o comportamento do atual Papa Francisco para com o Islã e os islamitas do Califado do Iraque (carrascos de cristãos e outras minorias).

    Bergoglio, sempre tão crítico com os católicos, não se opõe jamais nem menos contra o lobby secularista sobre temas como vida, sexo, gênero, enfim, os princípios não-negociáveis que o Papa Bento identificou como os pilares da “ditadura do relativismo”. (…).

    Era e é necessário acender uma luz para uma geração que foi jogada na escuridão do niilismo, que já não consegue sequer distinguir o bem do mal, porque lhes foi ensinado que tal distinção não existe e que todo mundo pode fazer o que quiser. Infelizmente, papa Bergoglio corre o risco de deixar-se levar por essa trágica corrente já que foi ele mesmo que disse que “cada um tem sua própria idéia do bem e do mal” e “nós devemos incitá-lo a proceder em direção ao que ele pensa que seja bom.”

    Havia e há a necessidade de anunciar Cristo, nossa esperança e verdadeira felicidade na vida, a uma geração que não sabe nem menos quem é Jesus e que não sabe o que fazer da sua juventude e existência. E ela corre o risco de ser enganada ao ouvir do Papa Bergoglio que “o proselitismo é um absurdo solene” e que ele não tem “nenhuma intenção” de converter os seus interlocutores.

    É claro que ele tem razão quando lembra que o cristianismo é comunicado “por atração”, mas o zelo missionário nos foi testemunhado pelos santos e “proselitismo” é o mandamento de Jesus aos seus apóstolos:

“Ide, portanto, fazei discípulos entre todas as nações , batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado “(Mt 28,19-20).

    Não é possível esquecer o preceito evangélico que indica a verdadeira, a grande tarefa da vida, apenas para receber os aplausos dos ricos, poderosos esnobes e anti-católicos do jornal La Repubblica, o que faz com que agora muitos se alegrem ao dizer que finalmente que temos um Papa “scalfariano.”

    Há uma grande necessidade de levar a carícia do Nazareno a quem está sozinho, doente, sofrendo ou no desespero e é muito doloroso ver “cancelada” de última hora a visita do Papa ao hospital Gemelli com pessoas doentes esperando sob o sol (cujas feridas são as chagas de Cristo), enquanto ele facilmente encontra horas para se dedicar a Scalfari, ou para telefonar a Maradona  ou Marco Pannella e ir pessoalmente a Caserta apenas para se encontrar com o amigo pastor protestante. (…)

    Bergoglio – de acordo com seus fãs  mais ardorosos – seria um revolucionário que visa subverter a Igreja Católica, eliminando os dogmas da fé e jogando às urtigas séculos de magistério.

    O que significaria tudo isso? Se for verdade, a Igreja estaria à beira de uma explosão dramática. É assim mesmo? Vai negá-lo Padre Bergoglio? Quer tomar de volta aquela estrada, onde um dia, um jovem (ele mesmo o disse certa vez e me comoveu), encontrou os olhos de Jesus? Vai querer buscar novamente aquele olhar e Nele encontrar todos nós?

 

http://www.itacaedizioni.it/wp-content/uploads/2011/09/antonio-socci.jpg

    Antonio Socci

 

Fonte:http://fratresinunum.com/2014/10/04/nao-e-francisco-o-livro-de-socci-sobre-o-papa-agita-o-vaticano/

-----

COMENTÁRIO DE ARNALDO HAAS

A primeira observação que faço é que o Livro de Antonio Socci, vai dar o que falar. Se ele abre estas questões, que ainda são apenas algumas, e sendo ele um escritor famoso, é óbvio que isso irá causar muita polêmica. Mas boa polêmica, aplausos para ele! De fato, ninguém pode ficar inativo, calado, surdo e cego, diante de tantos descalabros como os que este homem está cometendo. Eu diria que se trata de um louco consciente, apoiado por um poder farsante, porém extremamente forte, que tem dominado o Vaticano já desde o final do mandato do Papa Pio XII. Ele fala e faz isso tudo que está fazendo e dizendo, porque sabe perfeitamente que “tem as costas largas”: por trás dele o poderio dos cardeais rebeldes sufoca qualquer menção contra! Os bons perderam as rédeas da Igreja, lobos a dominam!

       O jornalista disse que apoiou Francisco num primeiro momento, e posso dizer com toda a franqueza que não caí neste mal. Óbvio que nós sabíamos já com antecedência de que o eleito seria mau, entretanto, quando na janela do Vaticano, aquele velho cardeal pronunciava aquela célebre frase “Habemus Papam”, eu vi nele uma figura maligna, e pensei que se tratava de um demônio vestido de cardeal.

E quando Francisco apareceu, como já disse antes, a frase que me explodiu na mente foi exatamente esta: “Meu Deus, elegeram aquele cachaceiro!”. Não é claro me referindo a ele, mas sim a um homem que conheço, parecido com ele, e que bebe umas e outras tendo uma vida familiar muito depravada.

       Assim, nunca me arrependi de não ter acreditado nele, embora é claro, tenha percebido que ele fala muitas coisas bonitas. Entretanto, já escrevi isso muitas vezes, mas volto a repetir: toda montanha tem dois lados! Quando você olha apenas para o lado da montanha que o mundo lhe apresenta, fatalmente você estará sendo enganado, de uma forma ou outra. Quem sabe a graça maior que recebi de Deus, foi sempre buscar ver “o outro lado da montanha”. E é por isso que, ao invés de catalogar as belas frases de Francisco – que no fundo são óbvias – eu passei a anotar as frases que contém semente de joio, e hoje já passam de uma centena os erros e heresias deste homem. E se isso não basta para contaminar tudo o que vem hoje do Vaticano, então não sei a que abismos chegaremos com tudo isso.

       Ontem líamos que aparentemente os participantes do sínodo irão receber já um “prato feito”, em forma de um opúsculo, sobre o qual deverão dizer “sim” ou “não”. Depois disso, estas matérias voltarão para discussão nas bases, e voltarão no próximo ano para continuidade do sínodo, sendo então aprovadas ou não. Isso, naturalmente me cheira mal, porque a imensa maioria dos nossos bispos é completamente ignorante das normas da Igreja, e eles muito facilmente podem votar aprovando, a algo que será nefasto para a Igreja. Ademais, se eles forem escutar os bispos hereges da Europa e os teólogos libertadores da América – que formam a maioria – seguramente vencerão os modernistas, e com eles satanás.

       Por outro lado, conhecendo a exiguidade dos tempos finais que já são instantes, e sabendo que, se aquilo que sair do sínodo em sua primeira etapa for para o mal, imediatamente, no mundo inteiro se irá generalizar, será aplicado pelos padres rebeldes, antes mesmo da sua aprovação. A besta sabe disso. Como exemplo a Missa Nova, que foi aprovada apenas a título experimental e em algumas dioceses, imediatamente se generalizou porque era este o interesse do maligno. Assim, nem será necessária a segunda etapa do sínodo, porque se for para o mal ele se irá generalizar. Roma não terá controle sobre isso, até porque nem deseja controlar!

       Os exemplos vêm de Francisco! Dias atrás um sacerdote americano convidou dois Muftis muçulmanos para proferir a homilia na Santa Missa, e quando criticado ele disse que apenas seguiu o exemplo do papa. Mas eles na sua “homilia” declararam que Maria não era a Mãe de Deus e que Jesus era apenas um profeta comum, e que somente Alá era deus e Maomé o seu grande profeta. Este prurido por novidades como diz São Paulo, este fenômeno maldito de adotar e seguir falsos mestres porque “famosos”, esta sede absurda de mudanças na Igreja, tudo isso, sem dúvida contribuirá para que, na prática, o que ainda não foi aprovado já tenha curso. Até porque, disse um cardeal:

tudo aquilo que for aprovado no sínodo, nós queremos que até o final do ano já tenha sido posto em prática!

       O bom que vejo nisso é que começam agora, escritores, teólogos, sacerdotes, a levantar a ponta dos tapetes do Vaticano, e denunciar a sujeira que os maus tentam acobertar. Por isso é que devemos acreditar que o cisma será fulminante, e atingirá a Igreja em cheio. Então nós, quem sabe, poderemos ver o efeito daquele raio que caiu na cúpula de São Pedro, no dia da eleição deste papa, ou seja:

A retaliação da Igreja, de alto a baixo, em dois blocos: um menor ao redor de Bento XVI, um maior ao redor de Francisco.

Isso até que outro raio, aquele do Grande aviso de Deus, rache também o cérebro deste clero cego, e destes católicos cegos, que não percebem o que está acontecendo em Roma: que ali atua já o bando precursor do anticristo! Quem viver verá!

 

Fonte:http://www.recadosaarao.com.br

 
 
 

Artigo Visto: 1625 - Impresso: 40 - Enviado: 36

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.240.738 - Visitas Únicas Hoje: 646 Usuários Online: 215