"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
03/06/2015
CARTA ÀS AUTORIDADES DOS MUNÍCIPIOS DE ABRANGÊNCIA DA DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN SOBRE O RISCO DA IDEOLOGIA DO GÊNERO NO PME.
 

CARTA ÀS AUTORIDADES DOS MUNÍCIPIOS DE ABRANGÊNCIA DA DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN SOBRE O RISCO DA IDEOLOGIA DO GÊNERO NO PME.

02/06/2015

http://2.bp.blogspot.com/-pciLsys9UkY/VVZhH_76PyI/AAAAAAAAB9s/VtK2uG2B8pA/s1600/logo%2Bde%2Bkevin%2B2.png

PELA GRAÇA DE DEUS E DA SANTA SÉ APOSTÓLICA
BISPO DE FREDERICO WESTPHALEN (RS)

CARTA ÀS AUTORIDADES MUNICIPAIS

Frederico Westphalen, 02 de junho de 2015.

Aos Excelentíssimos Senhores
Prefeitos Municipais,
Secretários de Educação
Vereadores

Municípios da Diocese de Frederico Westphalen

                             

                                               Excelentíssimos senhores,

Antes de tudo, envio-lhes a minha saudação de Paz no Senhor Jesus.

A razão de endereçar esta CARTA fundamenta-se na minha responsabilidade de Bispo Diocesano, pastor e servidor desta Igreja Diocesana. Meu ministério episcopal não permite que eu me cale, frente a um gravíssimo risco que o tempo presente nos oferece.

Neste exato momento ocorrem discussões por todo o Brasil sobre os planos estaduais e municipais de educação, os quais devem ser elaborados em conformidade com o Plano Nacional de Educação (PNE) aprovado pelo Congresso Nacional em junho de 2014.

Universalização do ensino, percentuais de investimento e qualificação dos professores constituem tópicos naturais de debate. Contudo, venho chamar a máxima atenção dos senhores contra o grave perigo da inclusão nos planos de educação municipais da denominada “ideologia de gênero”.

Pois bem, os defensores da ideologia de gênero utilizam o falso argumento do combate à discriminação de gênero para promover uma campanha que tem por consequência a destruição da família como instituição fundamental da sociedade. Isso acontece porque não defendem a igualdade entre homens e mulheres (o que sempre se chamou de igualdade de gênero), mas exatamente o contrário, dizendo que ninguém é homem ou mulher por nascimento e, portanto, que qualquer pessoa pode se considerar homem ou mulher, independentemente dos aspectos biológicos.

O Congresso Nacional acertou ao retirar do Plano Nacional de Educação (PNE) toda e qualquer referência à ideologia de gênero, normalmente feita por meio das expressões “igualdade de gênero”, “igualdade de orientação sexual” e “igualdade de identidade sexual”, entre outras, pois são expressões vagas e ambíguas, abertas à manipulação ideológica e sem fundamento jurídico.

A Constituição brasileira reconhece a família como base da sociedade e, por isso, merecedora de especial proteção do Estado. Em verdade, a família detém a prerrogativa de decidir soberanamente sobre a formação e condução de seus membros, conforme seus costumes e crenças. Não cabe ao sistema educacional interferir nesse domínio, pois a constituição da pessoa enquanto pessoa se dá no âmbito privado. A interferência do Estado, por meio da regulação do ensino nas escolas públicas e privadas, desrespeita a prioridade da família em educar e formar seus filhos.

O grave perigo pelo qual passamos é constatável em notícias recentes, como:

a) a liberação da utilização do “nome social” nas escolas, à revelia dos pais (se o aluno João, registrado com o nome de João, pedir para ser chamado de Maria, assim deverá ser chamado pelos professores, sem que os pais do aluno sejam consultados!)

b) a possibilidade de um garoto, que simplesmente se declare mulher(!), utilizar o banheiro feminino. Como dito acima, esses temas são delicados e devem ser resolvidos, em primeiro lugar, pelas famílias, sem intervenção do Estado e de qualquer grupo ou partido político.

Portanto, peço aos senhores, homens e mulheres em defesa do bem de sua comunidade, para que analisem com cuidado o projeto de lei relativo ao plano de educação do seu município, a fim de assegurar uma educação igualitária, universal e de qualidade, mas sem arbitrariedades de cunho ideológico, cujas consequências são terríveis e fogem ao nosso controle.

Agradecendo a atenção dispensada, coloco-me sempre à inteira disposição de todos.

 

+ Dom Antonio Carlos Rossi Keller
 

Fonte: http://www.encontrocomobispo.org/2015/06/carta-as-autoridades-dos-municipios-de.html

 
 
 

Artigo Visto: 885 - Impresso: 31 - Enviado: 15

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.719.272 - Visitas Únicas Hoje: 323 Usuários Online: 93