"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
20/09/2019
Todos para a escola do Anticristo. Mas um cardeal rebelde.
 

Todos para a escola do Anticristo. Mas um cardeal rebelde.

19/09/2019

http://magister.blogautore.espresso.repubblica.it/files/2019/09/Anticristo.jpg

Por Sandro Magister

Enquanto a controvérsia continua em vista do sínodo na Amazônia, que na realidade tem seu epicentro na Igreja da Alemanha, a mais recente invenção do Papa Francisco passou quase despercebida.

É intitulado “Reinventando a Aliança Educacional Global” e está aberto a “todas as figuras públicas” que “estão engajadas em nível mundial” no campo da educação, a qualquer religião em que possam pertencer. O anúncio foi feito em 12 de setembro e a cúpula está prevista para 14 de maio de 2020 no Vaticano.

Não surpreende que um papa como Jorge Mario Bergoglio, pertencente à Companhia de Jesus - durante séculos um grande instrutor das classes dominantes - se interesse tanto pela educação e formação das novas gerações. Mas o que chama a atenção é a completa ausência de qualquer tipo de distinção cristã em seu projeto educacional.

Na mensagem de vídeo com a qual Francisco lança a iniciativa, não há o menor traço de Deus, nem de Jesus, nem da Igreja. A fórmula dominante é o "novo humanismo", com seus adornos de "lar compartilhado", "solidariedade universal", "fraternidade", "convergência", "bem-vindo" ...

E as religiões? Elas também se agruparam e se neutralizaram em um “diálogo” indistinto. Para “recuperar o terreno perdido pela discriminação”, o papa se refere ao documento “sobre a irmandade humana” que ele assinou em 4 de fevereiro de 2019 com o Grande Imame de Al. -Azhar, um documento no qual até “o pluralismo e a diversidade das religiões” são “desejados por Deus em Sua sabedoria, através da qual Ele criou os seres humanos”.

A novidade dessa iniciativa de Francisco consiste precisamente no fato de ser a primeira vez que um papa se reivindica e se coloca à frente de um pacto educacional global radicalmente secularizado. Porque, na realidade, um "novo humanismo" sem Cristo não é um original, mas uma constante no pensamento do Ocidente dos últimos dois séculos.

Do Grande Inquisidor de Fyodor Dostoiévski, ao Evangelho segundo Leo Tolstoi, ao Anticristo de Vladimir Solovyov, ao “novo humanismo”, de Edgar Morin - o filósofo francês que Francisco recebeu em audiência privada em 27 de junho, após uma conferência em Roma, precisamente sobre as “convergências” de seu pensamento com a visão do papa atual - há muitas formas sob as quais a pessoa única e incomparável de Cristo é dissolvida, substituída por um amor genérico pela humanidade.

“Nesse projeto”, comentou Luisella Scrosati em La Nuova Bussola Quotidiana, de 16 de setembro, “Deus também é bem acomodado, desde que se sente entre os convidados dessa nova humanidade unida e não afirme ser o Noivo que chama para o casamento, e até decide deixar de fora aqueles que não têm a roupa do casamento. ”

Em 2005, houve um grande teólogo e cardeal, chamado Giacomo Biffi (1928-2015), que chamou fortemente a atenção de volta à “grande crise que atingiu o cristianismo nas últimas décadas das mil e novecentas”, esvaziando sua substância em nome de uma fraternidade universal.

Biffi, no capítulo de um de seus livros, aceitou o relato do anticristo escrito em 1900 pelo teólogo e filósofo russo Solovyov e o aplicou à Igreja de hoje.

Aqui estão algumas de suas passagens deslumbrantes. Tão relevante como sempre.

*

OS DIAS ESTÃO CHEGANDO, E JÁ ESTÃO AQUI…

por Giacomo Biffi

O anticristo, diz Solovyov, [...] acreditava na bondade e até em Deus. [...] Ele deu "as maiores demonstrações possíveis de moderação, desinteresse e beneficência ativa". [...] O livro que ganhou para ele fama e consenso universal ostentava o título: "O caminho aberto para a paz e a prosperidade universais". [...]

É verdade que alguns homens de fé se perguntaram por que o nome de Cristo não apareceu nem uma vez, mas outros responderam: "Se o conteúdo do livro é permeado pelo verdadeiro espírito cristão, com amor ativo e benevolência universal, o que mais você quer que se faça?"  [...]

Onde a apresentação de Solovyov se mostra particularmente original e surpreendente - e merece maior reflexão - está na atribuição ao anticristo das qualidades de pacifista, ambientalista, ecumenista. [...]

Nesta descrição do Anticristo, Solovyov [...] faz alusão acima de tudo ao "novo cristianismo" que Leo Tolstoi estava promovendo com sucesso durante esses anos. [...]

Em seu "Evangelho", Tolstoi reduz todo o cristianismo a cinco regras de conduta que ele deriva do Sermão da Montanha:

1. Você não apenas não deve matar, mas também não deve ficar com raiva de seu irmão.
2. Você não deve ceder à sensualidade, nem mesmo ao desejo de sua própria esposa.
3. Você nunca deve se comprometer prestando juramento.
4. Você não deve resistir ao mal, mas deve aplicar o princípio da não violência ao máximo e em todos os casos.
5. Ame, ajude e sirva seu inimigo.

Segundo Tolstoi, embora esses preceitos venham de Cristo, eles de forma alguma exigem que a existência real do Filho do Deus vivo seja válida. [...]

Naturalmente, Solovyov não identifica especificamente o grande romancista com a figura do anticristo. Mas ele intuiu com extraordinária clarividência que o credo de Tolstoi se tornaria durante o século 20 o veículo da anulação substancial da mensagem do evangelho, sob a exaltação formal de uma ética e o amor à humanidade apresentados como "valores" cristãos. [...]

Os dias virão, diz Solovyov - e já estamos aqui, dizemos - em que o significado salvífico do cristianismo, que só pode ser recebido em um difícil, corajoso, concreto e racional ato de fé, será dissolvido em uma série de "valores" facilmente vendidos nos mercados mundiais.

O maior dos filósofos russos nos adverte que devemos nos proteger contra esse perigo. Mesmo que um cristianismo tolstoiano nos tornasse infinitamente mais aceitáveis na sala de estar, em reuniões sociais e políticas e na televisão, não podemos e não devemos renunciar ao cristianismo de Jesus Cristo, o cristianismo que tem como centro o escândalo do cristianismo a cruz e a surpreendente realidade da ressurreição do Senhor.

Jesus Cristo, o Filho de Deus crucificado e ressuscitado, o único salvador da humanidade, não pode ser transformado em uma série de projetos valiosos e boas inspirações, que são parte integrante da mentalidade mundana dominante. Jesus Cristo é uma "rocha", como ele disse de si mesmo. E alguém constrói sobre esta "rocha" (confiando a si mesmo) ou se atira contra ela (por oposição): "Quem cair nesta pedra será quebrado em pedaços; mas quando cair sobre alguém, o esmagará "(Mt. 21:44). [...]

Portanto, os ensinamentos de Solovyov foram simultaneamente proféticos e amplamente ignorados. Mas queremos reproporá-lo na esperança de que o cristianismo finalmente o pegue e preste um pouco de atenção.

Fonte: http://magister.blogautore.espresso.repubblica.it/2019/09/19/everyone-to-the-school-of-the-antichrist-but-one-cardinal-rebels/

 
 
 

Artigo Visto: 312 - Impresso: 2 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.719.246 - Visitas Únicas Hoje: 297 Usuários Online: 75