"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
17/09/2019
Como Bento derrotou "Francisco"
 

Como Bento derrotou "Francisco"

11/09/2019

https://ultimostiempos.org/media/k2/items/cache/a63cd9e38964634741a5a3fe89055308_XL.jpg

Por Fr. Alexis Bugnolo

O Papa Bento XVI, que foi elogiado por muitos como um teólogo brilhante, e na minha opinião, um jogador de xadrez ainda mais brilhante, pois derrotou a anti-igreja com a manobra mais incrivelmente sutil e eficaz que jamais poderia ser concebido, e que requer uma grande quantidade de estudos para o reconhecimento, se você, como eu, tomar ao pé da letra o que foi publicado nesses últimos seis anos.

É certo que a honra e a glória disto pertence antes de tudo a Deus, que ilumina todos os homens e os inspira às vezes para fazer coisas que meros mortais nunca poderiam conceber. Mas também, graças a Deus por enviar Nossa Senhora a Fátima para revelar a irmã Lúcia um segredo que tem até esses dias permanecido oculto, para dar um bom conselho ao verdadeiro sucessor de São Pedro nesse últimos tempos.

Como o Papa João Paulo II fortaleceu o baluarte da Igreja contra a Anti-igreja

Creio que com esse conhecimento, o Papa João Paulo II fez 3 coisas: primeiro, ele escolheu Joseph Ratzinger para vir a Roma e preparou-o para sucedê-lo (talvez porque sentiu que Ratzinger tinha o dom da profecia); segundo, em 1983, ele acrescentou o termo Munus para Canon 332 § 2, para restringir todos os seus sucessores à obrigação de renunciar ao Munus  Petrinus, de modo a renunciar ao papado; e em terceiro lugar, em 1996, ele promulgou uma nova lei sobre as eleições papais, que anularia qualquer tentativa da anti-igreja de usurpar o papado ou eleger sucessores para anti-papas (exigindo que todos os conclaves válidos se reunam dentro de 20 dias após a morte dos Papas válidos).

O Papa João Paulo II advertiu a Igreja da Anti-igreja que estava se levantando.

Beatificou Ann Catherine Emmerich (na vigília de são Francisco de Assis, em 2004) para dar a aprovação papal para suas próprias visões a este respeito. Não seria surpreendente, então, que em segredo, o deveria dizer, na luz  do dia, em atos papais, ele preparou a igreja contra esse mal que viria!

Por esses três atos, o Papa João Paulo II estabeleceu o tabuleiro de xadrez e permitiu que o seu sucessor eleito, Ratzinger estabelecesse um estratagema de engano para derrotar as Forças da escuridão.

As forças da Anti-igreja golpearam rapidamente

Assim que o papa João Paulo II morreu, a máfia de St. Gallen, que se encontrava naquela cidade suíça por alguns anos, mobilizou-se para colocar Bergoglio no trono apostólico no Conclave de 2005. Bergoglio, como agora é conhecido, obteve o maior número de votos depois de Ratzinger. Em sua campanha para ser eleito, ele prometeu reformas financeiras radicais no Vaticano, a fim de poder se passar como um salvador e reformador, embora sua agenda fosse a do cardeal Martini, para converte a Igreja na noiva do anticristo.

Recentemente, um sacerdote argentino revelou, que o Papa Bento XVI, logo após sua seleção em 2005, pediu o Bergoglio para ser o seu Secretário de Estado (ver relatório aqui). Bento pretendeu com esta oferta dissipar o conflito que surgiu no conclave, e desmascarar as intenções reais de Bergoglio. A recusa de Bergoglio expressou seu engano, porque todos os motivos apresentados no Conclave para sua eleição - que, para ser honesto, poderia perfeitamente desempenhar um Secretário de Estado - o teriam encorajado a aceitar a oferta de Bento. Mas sem a autoridade papal, sua agenda malvada e perversa não teria avançado. Com esse sinal de oferecer a palma da oliveira da paz, Bento mostrou aos seus partidários que depois dele viria um antipapa.

Com o triplo conhecimento do futuro que ele teria com o Terceiro Segredo, do Papa João Paulo II e de sua própria experiência na Prefeitura da Doutrina da Fé, o Papa Bento agora sabia o que tinha que fazer. Ele sabia que Bergoglio queria poder e que se veria cegado pelo seu oferecimento. Ele se preparou para defender a Igreja com tradição e, à medida que a pressão da máfia de St. Galllen aumentava, ele elaborou sua derrota em segredo. Ao mesmo tempo, alertou abertamente os fiéis que a mensagem de Fátima estava prestes a ser cumprida (em 13 de maio de 2010 ele declarou "É errado quem pensa que a missão profética de Fátima foi cumprida").

Bento sabia que remover a máfia da Lavanda do Vaticano era a chave para defender a Igreja. Mas, como documentos judiciais revelaram no caso do WikiLeaks que o esforço levaria à destruição da carreira de muitos sodomitas, eles se moveram contra Bento para fazê-lo renunciar. Seu pontificado teria eliminado centenas de pervertidos do clero.

Como escrevi antes, na minha opinião houve uma tentativa formal de um golpe de estado. E isso realmente começou com a tentativa de aprisionar o papa Bento 16. O pacto do conclave em 2005 entre as facções de guerra de Ratzinger (Igreja) e Bergoglio (anti-Igreja) também colocaram as coisas em movimento. Mas, com sua causa perdida naquele conclave, a máfia de St. Gallen teria que esperar a renúncia de Bento, porque, sendo velho, ele próprio revelou que estava disposto a renunciar de qualquer maneira em alguns anos. No entanto, como ele continuou, a raiva e a impaciência explodiram.

A restauração da missa tradicional (7 de julho de 2007) e a concessão de licenças para celebrá-la causaram uma explosão geral entre os clérigos perversos. Eu mesmo sei que isso aconteceu na Conferência dos Bispos italianos em 2011, porque um bispo que participou me disse como os cardeais e Bispos se levantaram, um após o outro, e eles disseram as piores coisas contra Bento XVI. Eu também sei pessoalmente, a partir do depoimento de um empresário siciliano que estava em Xangai, que o Cardeal de Palermo tinha avisado que Bento tinha ainda só mais um ano de vida em função de sua pobre saúde. As mídias controladas por St. Gallen  expandiram isto e relataram-no como se o Cardeal tivesse dito que Bento teria no máximo um ano de vida a mais. Esse relatório foi publicado em 11 de fevereiro de 2012! (por favor, notem a data).

O golpe mestre de Bento XVI

O Papa Bento XVI em seguida jogou o seu golpe mestre. No Verão de 2012, ele disse ao Cardeal Bertone que ele iria renunciar. Ele tinha discutido o assunto apenas com seu secretário Gonswein e alguns outros. Eu creio que ele escreveu o texto de sua abdicação no Outono de 2012. Eu também expliquei que ele intencionalmente mostrou o texto em latim (o inválido) e uma tradução imperfeita alemã (que fez parecer que o latim era uma fórmula válida) para os membros da máfia de St. Gallen, para obter o seu consentimento. Com esse ato ele selou seu destino.

Porque somente alguém que fala latim fluentemente, e quem conhece a lei canônica, e que aceita a tradicional metafísica da igreja, poderia ver que a renúncia com essa fórmula era inválida. Ratzinger também preparou o terreno ao enfatizar durante anos antes que seu  teólogo favorito era St. Bonaventura. Isso fez com que estudiosos, como eu, nos puséssemos a estudar o método escolástico de São Boaventura para a análise textual do significado das expressões, o que é incomparável entre todos os doutores da igreja.

Em 11 de fevereiro de 2013, ele leu o texto da fórmula inválida em voz alta no Consistório. Mas em 28 de fevereiro de 2013, ele explicou que só renunciou ao "Ministério ativo". A máfia de St. Gallen espalhou a palavra de uma renúncia válida. O resto é história.

A única coisa é que Bento começou a dar sinais da verdade, não só para o bem dos fiéis, mas para irritar a máfia de St. Gallen: ele continuou a usar a sotana papal, ele preservou os títulos de Sua Santidade, assinando como PP. Bento XVI , e continuou a dar a bênção papal. Ele fez essas coisas para que os fiéis católicos examinassem o texto da demissão e descobrissem que era inválido. Ele também fez isso, creio eu, porque ele estava obedecendo as palavras de Nossa Senhora em Fátima, quando Ela havia revelado que viria um momento em que o mundo católico pensaria que houvessem dois papas, mas apenas um deles seria o verdadeiro Papa. O real continuaria a usar o branco, o outro usurparia o Ofício; e que a anti-igreja atacaria o verdadeiro Papa, e que os fiéis se reuniam ao seu redor.

Com uma renúncia inválida ao Papa Bento, pode cancelar de antemão todo o que Bergoglio fez, o que pode fazer e o que fará. Bergoglio é agora um antipapa devido ao engenhoso truque que Bento lhe jogou. E Bergoglio está tão enredado por este estratagema de Bento, que nem sequer pode admitir a sua existência, porque, se o fizer, ele deveria recusar o seu arrebate do papado.

Se Bento viesse a morrer não haveria nenhum sucessor válido de São Pedro, a menos que os cardeais pré-bergogliano se reunissem num conclave dentro de 20 dias. Caso contrário, como o Papa João Paulo II estabeleceu na Constituição Universi Dominici Gregis, qualquer ação que tomem os cardeais eleitores seria inválido. Se eles não fizerem isso, a igreja se veria privada de um Papa, porque, como o Papa João Paulo II ensinou no prefácio da Constituição, a instituição do Colégio "não é necessária para uma eleição válida" do Romano Pontífice, a antiga Lei Apostólica do Romano Pontífice ainda é válida, sobre o direito da Igreja Romana de eleger um Papa (o direito de escolha cairá para os católicos da Diocese de Roma que reconhecem que Bento sempre foi o único verdadeiro Papa, e que Bergoglio sempre foi e nada mais é do que um anti-Papa).

Bento derrotou "Francisco"!

---

* Nota do Tradutor:

Além da pressão de St. Gallen e outras ameaças que foram adicionadas, há evidências de que no Decreto lido pelo Papa Bento XVI em 11 de fevereiro de 2013 não houve renúncia legítima devido a um erro em latim.

Na declaração da "renúncia" do Papa Bento XVI, como foi oficialmente divulgada pelo Vaticano e publicada em L' Osservatore Romano, há um Solecismo muito óbvio, isto é, um erro sintático que consiste em colocar incorretamente os elementos de uma sentença.

Na parte medular da renúncia lê-se: "Eu declaro ao Ministry Episcopi Romae Successoris Sancti Petri, mihi por Manus Cardinalium morra 19 aprilis MMV Commissum renuntiare" (Inglês: "Eu declaro renunciar o Ministério de Bispo de Roma, sucessor de St. Pedro, que, foi-me confiada pelas mãos dos cardeais em 19 de abril de 2005 "). Essa frase é totalmente ininteligível, contendo um erro gramatical, porque "Commissum", que depende de "Ministério", é um complemento para o verbo renuntiare, por isso deve ser em dativo, de acordo com ele, ou seja, deve dizer Com isso.
No direito canônico, no entanto, qualquer carta legislativa que contenha uma falta de latim é nula e sem efeito. Já o Papa Saint Gregory VII (cf. Registrarum 1,33) declarou nulo um privilégio concordado a um monasterio por seu predecessor Alexander II, "por causa da corrupção da Latinidade".

Outro exemplo. Na Epístola Decretal ad Audientiam, do Papa Lúcio III, que se encontra no corpo do direito canônico (cf. Epístolas decretais de Gregório IX, de Rescriptis, c. XI), estabelece-se que "a falsa latinidade invalida um Papa reescrito". Nesse decreto, o Papa proibiu o crédito dado a todo o documento papal "se contiver uma falta da construção óbvia". A glosa (no texto oficial publicado por ordem do Papa Gregório XIII, em 1582) explica por que um decreto papal "não deve conter quaisquer falhas", e por que qualquer erro latino constitui tal presunção de nulidade "que nenhuma evidência em contrário pode ser admitida ".

Enquanto alguns canonistas modernos acreditam que os códigos de 1917 e 1983 revogaram automaticamente todas as regras acima, o cuidado que o Pontifício Conselho para a interpretação dos textos Pontifícios continua a suscitar dúvidas, suscita dúvidas sobre esta visão.

Afirmar que um decreto é nulo não significa que seja necessariamente um documento falso. Mas se revelar um erro que possa ser manifesto ou surgido, ou seja, o Papa Bento XVI pode tê-lo escrito descuidadamente, ou cobrindo uma verdadeira mensagem oculta, tendo sido a renúncia feita sob pressão. O primeiro é bastante implausível, pois deve-se supor que um texto tão importante foi revisto pelo Papa não uma vez, mas várias vezes.

Em conclusão, não parece que o erro latino cometido por Bento XVI foi uma indolência, mas um propósito intencional, que seria dizer-nos não só sobre a nulidade absoluta do Decreto Pontifício, que é um fato, mas também da pressão para a qual foi mais tarde, ele proclamaria  quando ele disse adeus em 28 de fevereiro: que ele continuaria a usar branco, chamar-se Papa com o nome de Sua Santidade, com as Chaves de Pedro em seu escudo, e carregando o Anel Papal denotando a autoridade Pontifícia.

Fonte: https://ultimostiempos.org/es/blog/item/100-derrota.html

 
 
 

Artigo Visto: 394 - Impresso: 6 - Enviado: 2

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.720.237 - Visitas Únicas Hoje: 1.288 Usuários Online: 277