"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
13/09/2019
Na Amazônia, os diáconos casados já estão celebrando missa. E o Papa sabe disso.
 

Na Amazônia, os diáconos casados já estão celebrando missa. E o Papa sabe disso.

10/09/2019

http://magister.blogautore.espresso.repubblica.it/files/2019/09/Nicolini1.jpg

Padre Giovanni Nicolini

Por Sandro Magister

Por alguns dias, circula na web um vídeo em que um padre italiano de alta patente, entre os mais próximos de Jorge Mario Bergoglio, diz que na Amazônia a celebração da Missa por diáconos casados já é uma realidade de fato, autorizado pelos bispos locais. E o Papa Francisco, informado sobre o assunto, teria dito: "Vá em frente!"

O autor desta revelação não é apenas alguém. Ele é Giovanni Nicolini, 79 anos, um estimado sacerdote da arquidiocese de Bolonha, que tem como arcebispo Matteo Zuppi, que alguns dias atrás Francisco promoveu como cardeal.

Pe. Nicolini é atualmente assistente eclesiástico nacional das Associações Católicas de Trabalhadores Italianos, ACLI, e foi diretor da Caritas de Bolonha, além de ser pároco no bairro próximo à prisão. Um padre dos pobres, dos presos e dos imigrantes: esse é o seu perfil mais conhecido.

Mas mesmo antes disso, ele era um filho espiritual de Giuseppe Dossetti (1913-1996), um político de destaque na Itália do pós-guerra e, depois, como monge e sacerdote, protagonista do Concílio Vaticano II, juntamente com o cardeal Giacomo Lercaro.

Seguindo os passos de Dossetti, pe. Nicolini fundou na década de 1970 a Família da Visitação, uma comunidade agora composta por cerca de trinta monges e monjas e o mesmo número de casais, divididos entre o interior de Bolonha e as missões arquidiocesanas na Tanzânia e Jerusalém.

Além disso, pe. Nicolini está conectado a esse influente think tank católico progressista conhecido como a "escola de Bolonha", que teve seu fundador no mesmo Dossetti e tem no historiador da igreja Alberto Melloni e no fundador do mosteiro Bose Enzo Bianchi seus atuais pilares e gurus, ambos ultra-bergoglianos.

O vídeo faz parte de uma “lição” mais ampla do pe. Nicolini, também gravou, na escola de verão da associação político-cultural católica La Rosa Bianca, realizada em Terzolas, Trentino, de 21 a 25 de agosto.

E a seguir, uma transcrição exata de suas palavras sobre o celibato do clero e as “missas” que já são celebradas por diáconos casados na Amazônia, com a autorização dos bispos locais e o apoio do Papa Francisco.

*

E O PAPA DISSE: “VÁ EM FRENTE!”

Eu sinto que é apropriado recordar, junto com você, que a Igreja dos sacerdotes está chegando ao fim. Isso é uma profecia? Não, é a realidade. Isso deve ser levado em consideração, porque muda completamente. Agora estamos alcançando o auge da loucura, todo sacerdote está cuidando de seis paróquias, mas é assim que termina. De qualquer forma, essa crise do sacerdócio aumentará incansavelmente, até que finalmente se considere seriamente a adequação da abolição do celibato dos sacerdotes.

Enquanto esse celibato de padres permanecer, o declínio é imparável, em parte porque muitas vezes não há reflexão sobre o fato de eu, por exemplo, ser padre, mas antes de ser padre, sou monge. Francesco, que está aqui, é um monge e, como somos uma comunidade monástica de oração muito pequena, demos à Igreja de Bolonha o presente de cinco sacerdotes, mas conseguimos fazê-lo porque pertencemos a um raça diferente. Mas enquanto houver uma situação segundo a qual - você entendeu, certo? - o fato de permanecer celibatário é puramente um arranjo da ordem disciplinar, jurídico, não é um voto, não é um presente de Deus, não é sustentado pela vida da comunidade ... Isso é tudo, ele não se casa, a regra é que ele não pode se casar. Mas fica claro que, quando descubro que um padre de trinta anos que me procura por confissão, agora o coloca em uma grande área rural sozinho, em seis meses ele tem uma amante. E agora esse declínio será muito rápido. Outro dia, alguém me disse que, se alguém fizer as contas, em 2030, Bolonha terá 30 padres. No momento, existem 450, e esse já é um grande declínio. E assim essa estrutura da Igreja não estará mais lá.

O sínodo dos bispos para a Amazônia está ocorrendo. Descobrimos que na Amazônia, certa noite, de uma paróquia missionária isolada na Amazônia, eles fizeram um telefonema, era um velho diácono, aos sessenta anos, casado, que disse ao bispo: “Preciso lhe dizer que amanhã não haverá missa, porque não há padre. ”E o bispo disse a ele:“ Você vai lá e celebre missa. ”Um diácono casado, filhos já criados, os“ anciãos ”são chamados e os bispos de lá deu-lhe autorização para presidir a liturgia. Eles disseram ao papa sobre isso e o papa disse: “Por enquanto não podemos escrever nada, vá em frente!” Fiquei pensando, quando descobri que ele estava convocando o encontro mundial de bispos para a Amazônia, quem sabe se talvez ele possa ou quer dizer alguma coisa. Mas a Igreja, em sua estrutura jurídica concreta, como existe agora, está chegando ao fim.

*

Isso faz com que as palavras do padre Giovanni Nicolini, levam a perguntas que exigem respostas, mesmo antes do Sínodo para a Amazônia começar.

É verdade ou falsa, o que ele diz sobre as "missas" já celebradas na Amazônia por diáconos casados?

E é verdade ou falsa que Francis deu o "aval"?

Fonte: http://magister.blogautore.espresso.repubblica.it/2019/09/10/in-the-amazon-married-deacons-are-already-saying-mass-and-the-pope-knows-it/

 
 
 

Artigo Visto: 174 - Impresso: 1 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.720.149 - Visitas Únicas Hoje: 1.200 Usuários Online: 286