"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
12/09/2019
Para o Vaticano, compreender o universal muitas vezes repousa sobre o (italiano) local
 

Para o Vaticano, compreender o universal muitas vezes repousa sobre o (italiano) local

11 de setembro de 2019

https://cruxnow.com/wp-content/uploads/2019/09/bancomat-690x450.jpg

Uma máquina usada para processar pagamentos digitais nas igrejas italianas. (Crédito: captura de tela.)

Por John L. Allen Jr.

ROMA - A tomada de decisões para uma igreja universal exige uma noção do que está acontecendo no terreno e, inevitavelmente, essas percepções são moldadas pelo local específico em que se encontra. O local, em outras palavras, costuma atuar como um prisma para a compreensão do universal.

No caso do Vaticano, acima de tudo, isso significa Itália. Quando acordam de manhã, a maioria das autoridades do Vaticano assiste às notícias da TV italiana e lê os jornais italianos. Quando eles se espalham aos domingos para celebrar a missa, a maioria está fazendo isso em italiano e para italianos. Quando tomam um café, saem para uma refeição, cortam o cabelo ou fazem compras, geralmente fazem tudo isso em ambientes italianos.

Com isso, um rápido resumo dos recentes desenvolvimentos no catolicismo italiano que, atualmente, devem estar nas telas de radar mental da classe dominante da Igreja. Nada é especialmente dramático, mas eles falam de algumas perguntas difíceis feitas no varejo:
-    Como adaptar o catolicismo ao mundo digital sem perder a noção do passado e sem parecer ansioso demais para lucrar com novas possibilidades comerciais.
-    Alocar pessoal e recursos em uma era de rápida mutação social e econômica.
-   Fornecer segurança para locais sagrados em um mundo cada vez mais perigoso.

Credos e cartões de crédito

O padre Vincenzo Tosello, pastor de San Giacomo em Chioggia, no norte da Itália, perto de Veneza, ganhou recentemente a distinção de ser o primeiro sacerdote na Itália a disponibilizar doações digitais para basicamente todo o menu dos cultos de sua igreja. (Algumas paróquias da Itália já estão usando a tecnologia digital para processar contribuições para a placa de coleta na missa de domingo.)

Além da prática clássica de deixar cair uma moeda em uma caixa de ofertas sempre que alguém deseja acender uma vela votiva, por exemplo, agora é possível através de uma máquina de "ponto de venda" usar um cartão de crédito ou um serviço de pagamento digital como Paypal . Acender uma vela em Santo Antônio, por exemplo, é um euro, embora isso seja apenas uma sugestão decidida no nível da conferência dos bispos italianos.

Também é fornecido um recibo digital, para uso potencial nos casos em que a lei italiana oferece um benefício fiscal para contribuições sem fins lucrativos. O cardápio da máquina também oferece opções para dar uma contribuição às instituições de caridade administradas pela paróquia, solicitando inclusive a celebração de uma missa em memória de um ente querido falecido.

"Não existe nenhum objetivo comercial", disse Tosello à mídia local. "A idéia é dar às pessoas que não andam com dinheiro a chance de fazer uma contribuição. As pessoas andam cada vez menos com dinheiro e moedas, então esse é um esforço para acompanhar o ritmo dos tempos. ”

Os críticos da idéia, que a vêem como uma confusão entre Deus e Mamom, inventaram uma rima zombeteira em italiano: Entrare per pregare, o bancomat da pagare, que significa: “Entre para orar, há um caixa eletrônico a pagar. "

Até o momento, ninguém parece ter perguntado o que o Papa Francisco, crítico feroz do "capitalismo selvagem" que ele é, poderia pensar da iniciativa de Tosello. Enquanto isso, o desenvolvimento em Chioggia é complementado por um novo serviço recentemente lançado na diocese de Livorno, na Toscana, permitindo que as pessoas façam reservas on-line para o Sacramento da Confissão.

Capuchinhos capturados no meio

Catanzaro é uma cidade de tamanho médio com pouco menos de 90.000 almas na Calábria, no extremo sul da Itália, basicamente o dedo do pé da bota formada pela península. Como tantas cidades pequenas e de médio porte, ele vem diminuindo gradualmente há anos sob as pressões gêmeas da rápida urbanização e do subdesenvolvimento crônico no sul da Itália.

Um resultado é que a presença na famosa Chiesa del Monte dei Morti, a "Igreja da Colina dos Mortos", está em declínio, a ponto de os capuchinhos que dirigem o local desde 1885 estarem pensando em cair fora. Essa perspectiva deixa a população local em pé de guerra, exigindo reuniões com o superior regional da ordem e o bispo para tentar manter os capuchinhos exatamente onde estão.

O líder de um grupo local de destaque disse que se a igreja e o convento associado fechassem, seria uma “ferida incurável”.

Parte da história é que Catanzaro há muito tempo se envolve em uma rivalidade com Reggio Calabria, a cerca de uma hora e meia de carro, como o centro urbano mais importante da região. Reggio Calabria está se afastando há um tempo, um símbolo do qual uma famosa pintura do Papa Vitalian, o padroeiro de Catanzaro, agora está localizada em Reggio Calbaria, que tem sido uma pílula especialmente amarga para a cidade menor engolir.

Uma autoridade da cidade de Catanzaro, Daniele Russo, recentemente demonstrou medo de que, se a igreja histórica se fechasse, outras partes de seu patrimônio espiritual e cultural pudessem acabar nas mãos de seu amargo rival regional.

No momento, não está claro o que os capuchinhos ou a diocese podem fazer, embora pareça improvável que, por si mesmos, estejam em posição de deter as tendências de longo prazo, tornando o centro comercial de Catanzaro cada vez mais insustentável.

Segurança e santidade

Na tarde de domingo, um homem de 47 anos, lutando contra o vício em drogas, foi preso por incendiar um confessionário da Igreja de St. Victor, na pequena cidade de Villa Cortese, perto de Milão, com uma população de pouco mais de 6.000.

Na época, a igreja estava cheia por causa de vários batismos programados para a tarde, embora ninguém tenha sido ferido no incidente.

Oficiais da polícia disseram que os motivos do agressor ainda não estão totalmente claros, enquanto a igreja isolada da cidade permanece fechada, aguardando uma inspeção de segurança, limpeza e reparos.

Um medo é o possível dano a um órgão famoso da igreja, formado durante o grande ano do jubileu de 2000 pela conhecida empresa Ruffatti Brothers na cidade de Pádua. Uma página do Facebook dedicada ao órgão na segunda-feira continha este post: "Quem sabe quando podemos ouvir novamente sua voz ecoando pelos corredores?"

O incidente ocorre após dois ataques separados na própria Basílica de São Pedro, um envolvendo um homem descrito como "instável" jogando fora um candelabro do altar principal e outro envolvendo outro homem tentando esmagar um crucifixo.

Era uma vez, igrejas, especialmente em um lugar como a Itália, onde se poderia contar com uma combinação de temor sobrenatural e respeito social para se manter longe do perigo. À medida que essas qualidades se desgastam progressivamente, a questão passa a ser como encontrar o equilíbrio certo entre manter a segurança sem sufocar a hospitalidade espiritual.

Por sua parte, o pastor em Villa Cortese disse à mídia local que está considerando contratar seguranças para grandes eventos, descrevendo-o como um "passo triste", mas dizendo que também tem a responsabilidade de manter os frequentadores da igreja seguros.

Fonte: https://cruxnow.com/news-analysis/2019/09/11/for-the-vatican-grasping-the-universal-often-rests-on-the-italian-local/

 
 
 

Artigo Visto: 163 - Impresso: 2 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.720.177 - Visitas Únicas Hoje: 1.228 Usuários Online: 289