"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
12/09/2019
Cardeal Burke, Bispo Schneider Anunciam Cruzada de Oração e Jejum
 

Cardeal Burke, Bispo Schneider Anunciam Cruzada de Oração e Jejum

11 de Setembro de 2019

Citando "graves erros e heresias teológicas" no documento de trabalho do Sínodo da Amazônia, eles pedem aos fiéis que orem e jejuem por 40 dias para impedir que tais erros sejam aprovados.

http://www.ncregister.com/images/uploads/BurkeSchneider.jpg

Por Edward Pentin

O cardeal Raymond Burke e o bispo Athanasius Schneider emitiram uma declaração de oito páginas alertando contra seis “graves erros e heresias teológicas” que, segundo eles, estão contidos no documento de trabalho do Sínodo da Amazônia, e pedindo oração e jejum para impedir que sejam aprovados.

O cardeal Burke, patrono da Ordem Soberana de Malta, e o bispo Schneider, auxiliar de Astana, Cazaquistão, também publicaram o apelo para que o Papa Francisco possa "confirmar seus irmãos na fé por uma rejeição inequívoca dos erros" no documento de trabalho.

Eles propõem que clérigos e leigos “orem diariamente pelo menos uma dezena do Santo Rosário e jejuem uma vez por semana” por tais intenções durante um período de 40 dias, de 17 de setembro a 26 de outubro.

O documento de trabalho, chamado instrumentum laboris, tem como objetivo orientar as discussões durante o próximo Sínodo dos Bispos, de 6 a 27 de outubro, cujo tema é: Amazônia, Novos Caminhos para a Igreja e para uma Ecologia Integral.

Mas o texto recebeu críticas ardentes desde que foi publicado em junho por "vários prelados e comentaristas leigos, além de instituições leigas". Mais notavelmente incluem o cardeal Walter Brandmüller, presidente emérito do Pontifício Comitê de Ciências Históricas, e o cardeal Gerhard Müller ex- prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Uma área particularmente controversa diz respeito ao celibato sacerdotal. Em sua declaração, o Cardeal Burke e o Bispo Schneider pedem que o Papa não aprove a “abolição” do celibato sacerdotal na Igreja Latina através da ordenação de homens casados de virtude comprovada, os chamados “viri probati”.

O documento de trabalho propõe a discussão de tal medida para ajudar a levar a Eucaristia aos fiéis em áreas remotas da Amazônia sem padre. Os críticos estão preocupados com essa inovação, em particular que ela poderia minar universalmente o celibato sacerdotal obrigatório, sendo aplicada posteriormente a todas as áreas que sofrem com a falta de vocações sacerdotais.

"Principais erros"

O cardeal americano e o bispo cazaque escrevem que acreditam que "é seu dever conscientizar os fiéis" de seis erros "principais" que "estão sendo disseminados através do instrumentum laboris".

A primeira lista é o “panteísmo implícito” - a identificação de Deus com o universo e a natureza em que Deus e o mundo são um - que eles dizem ser rejeitados pelo Magisterium.

Em segundo lugar, eles criticam a noção apresentada no documento de trabalho de que as superstições pagãs são "fontes da Revelação Divina e caminhos alternativos para a salvação". Isso implica que as tribos amazônicas têm superstições pagãs que são uma "expressão da Revelação divina", merecedor de "diálogo e aceitação ”da Igreja, argumentam eles.

Citando documentos da Igreja, os dois prelados declaram que o Magistério rejeita tal "relativização" da revelação de Deus e, em vez disso, "afirma que existe um único Salvador, Jesus Cristo, e que a Igreja é Seu Corpo e Noiva Místicos únicos".

Em terceiro lugar, citam errônea a teoria contida no documento de que “os aborígines já receberam revelação divina e que a Igreja Católica na Amazônia deveria passar por uma 'conversão missionária e pastoral'”. O Magisterium rejeita essa noção de atividade missionária. como “enriquecimento meramente intercultural”, eles argumentam, e que a inculturação é principalmente sobre “evangelização” que faz da Igreja um “instrumento de missão mais eficaz”.

Em quarto lugar, criticam o documento de trabalho por seu apoio à “adequação dos ministérios ordenados católicos aos costumes ancestrais dos aborígenes, concessão de ministérios oficiais às mulheres e ordenação de líderes casados da comunidade como padres de segunda classe, privados de parte de seus poderes ministeriais mas capaz de realizar rituais xamânicos. "

“O Magistério da Igreja rejeita essas práticas e suas opiniões implícitas”, declaram os prelados e se baseiam em vários documentos da Igreja, incluindo a encíclica Sacerdotalis Coelibatus do Papa São Paulo VI e a carta apostólica do Papa São Paulo II Ordiniatio Sacerdotalis, para sublinhar o seu ponto.

Em quinto lugar, afirmam que, de acordo com as "visões panteístas implícitas" do documento, o instrumentum laboris "relativiza a antropologia cristã", considerando o homem "um mero elo na cadeia ecológica da natureza" e "o desenvolvimento socioeconômico como uma agressão à 'Mãe Terra'". O Magisterium rejeita tais crenças de que o homem não possui "uma dignidade única" acima da "criação material" e o "progresso tecnológico está ligado ao pecado", afirmam.

Por fim, alertam contra o que o documento de trabalho chama de "conversão ecológica" integral, que inclui "a adoção do modelo social coletivo" das tribos aborígines, onde "a personalidade e a liberdade individuais são prejudicadas". O Magistério, dizem os dois signatários, novamente “Rejeita tais opiniões” e depois citam o Compêndio da Doutrina Social da Igreja.

Manifestação de confusão

Em conclusão, o cardeal Burke e o bispo Schneider dizem que esses erros "implícitos e explícitos" são uma "manifestação alarmante da confusão, erro e divisão que assolam a Igreja em nossos dias".

Eles acrescentam que "ninguém" pode dizer que não estava ciente da "gravidade da situação" e, portanto, se desculpa de "tomar as medidas apropriadas" pelo amor a Cristo e Sua Igreja.

Diante de tal ameaça, eles pedem que "todos os membros" da Igreja "orem e jejuem" por seus membros "que correm o risco de serem escandalizados, o que é levado a confusão, erro e divisão" pelo texto do Sínodo.

Eles escrevem que "todo católico, como verdadeiro soldado de Cristo" é chamado a "salvaguardar e promover as verdades da fé", para que os bispos do Sínodo não "traam" a missão do sínodo, que é ajudar o Papa na "preservação e crescimento de fé e moral. ”

E lembrando que o Beato John Henry Newman será canonizado durante o Sínodo, eles fazem referência a dois de seus escritos nos quais ele "advertiu contra erros teológicos semelhantes aos erros acima mencionados no instrumentum laboris".

Eles concluem pedindo à Santíssima Virgem Maria e à intercessão dos santos missionários ao povo indígena a proteger os bispos do sínodo e o Santo Padre “do perigo de aprovar erros e ambiguidades doutrinárias e de minar o domínio apostólico do celibato sacerdotal. "

Fonte: http://www.ncregister.com/blog/edward-pentin/crusade?_hsenc=p2ANqtz-8gXyzs1-0pGs_x2stqyfyuLZ4G1I

 
 
 

Artigo Visto: 450 - Impresso: 6 - Enviado: 2

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.719.246 - Visitas Únicas Hoje: 297 Usuários Online: 74